Resolução contra Assad e aliados circula no Conselho de Segurança da ONU

Texto prevê sanções sobre 23 membros do governo da Síria e pode ser votada 'nos próximos dias'

Associated Press

23 de agosto de 2011 | 21h17

NOVA YORK - Nações europeias e os Estados Unidos circularam no Conselho de Segurança das Nações Unidas nesta terça-feira, 23, um rascunho de uma resolução que estabeleceria um embargo de armas e outras sanções sobre a Síria com o objetivo de frear a repressão do governo de Bashar Assad sobre os manifestantes da oposição, disseram diplomatas.

 

Veja também:

linkConselho de Direitos Humanos condena repressão

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

 

O texto requer o congelamento dos bens de Assad e outros 22 membros do governo, incluindo Maher, irmão mais novo do presidente, considerado um dos grandes responsáveis pelo derramamento de sangue no país, e Rami Makhlouf, primo de Assad, que controla a rede de telefonia celular e outras empresas na nação árabe.

 

 

Duas empresas controladas por Makhlouf e instituições militares sírias também seriam sancionadas e 21 pessoas, entre elas Assad e seu primo, seriam proibidas de viajar.

 

O vice-embaixador da Grã-Bretanha no órgão, Philip Parham, disse que seu país, Portugal, França, Alemanha e os Estados Unidos apoiaram o rascunho. "Há coisas que podem ser feitas para frear as mortes, libertar presos e permitir a entrada de ajuda humanitária", disse o diplomata. "O foco da resolução é pressionar para atingir esses objetivos", concluiu.

 

O britânico afirmou que os membros do conselho consultariam seus governos e poderiam votar o texto "nos próximos dias". "Queremos que todos tenham tempo de analisar a resolução cuidadosamente e consultem as capitais. E então, queremos agir, se pudermos, o mais rápido possível", finalizou.

 

A resolução, porém, pode esbarrar no veto de países próximos de Assad. Vitaly Churkin, embaixador da Rússia na ONU, afirmou que não é o momento certo para que sejam impostas sanções sobre o presidente sírio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.