Resposta do Irã exige receber urânio antes de exportar material

Detalhes da réplica inicial ao acordo proposto pela AIEA foram revelados por diplomatas de países ocidentais

estadao.com.br,

30 de outubro de 2009 | 16h34

A resposta provisória do Irã para o acordo proposto pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) inclui o recebimento de material nuclear para o reator de Teerã antes que o país envie o urânio para ser enriquecido na Rússia e na França, indicaram nesta sexta-feira, 30, diplomatas dos países ocidentais.

 

Veja também:

linkIrã rejeitou acordo nuclear da ONU, diz NYT

linkEspecialista diz que país tenta ''adoçar'' o acordo 

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

As exigências contidas no que a AIEA chamou de "resposta inicial" da República Islâmica foram consideradas como "inaceitáveis" pelas potências ocidentais que negociam com o Irã. Os funcionários falaram em condição de anonimato, segundo a Reuters.

 

Os diplomatas disseram que não estava claro se a proposta era séria ou se era apensa um artifício dos iranianos para desacelerar o processo de negociações.

 

A assessoria de comunicação do Irã nas Nações Unidas não comentaram a declaração. O chefe da AIEA, Mohamed ElBaradei, que está na sede da entidade para negociações, também se negou a dar declarações.

 

Resposta

 

A AIEA informou na quinta-feira, 29, que havia recebido uma "primeira resposta" do Irã sobre a proposta. A agência iraniana Irna informou que a mensagem de Teerã à agência da ONU "não é uma resposta ao projeto de acordo" e acrescentou que o Irã só divulgará sua decisão após mais negociações.

 

"A República Islâmica só anunciou sua visão positiva da negociação e disse que está pronta para manter negociações baseadas em considerações técnicas e econômicas, sobre como abastecer o reator de Teerã", informou a Irna citando uma fonte anônima.

 

A proposta prevê que Teerã envie até o fim do ano aproximadamente 75% de seu urânio de baixo enriquecimento (1.200 quilos) para ser processado na Rússia. Moscou enviaria o material enriquecido a 20% para a França que, depois de transformá-lo em combustível nuclear, o embarcaria de volta para o Irã em condições de uso apenas para fins pacíficos. Com isso, as potências ocidentais esperam evitar quer o Irã alcance capacidade para produzir uma arma nuclear.

 

A imprensa estatal iraniana disse que Teerã só enviará seu urânio para ser processado no exterior de forma escalonada - e ao mesmo tempo em que o Ocidente abastecer o regime com combustível para seus reatores. Isso permitiria que o Irã mantivesse seu estoque de material nuclear sempre alto, mesmo enquanto cumprisse a exigência da proposta de Viena.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãnuclearurânioAIEAONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.