Resultados definitivos das eleições do Iraque devem sair nesta sexta

Segundo Comissão Eleitoral, apenas 11 mil votos separam listas de Allawi e al-Maliki

estadão.com.br

26 de março de 2010 | 08h53

BAGDÁ - A Comissão Eleitoral do Iraque deve divulgar nesta sexta-feira, 26, os resultados definitivos das eleições parlamentares do dia 7 de março. A previsão é de que os números sejam divulgados às 19 horas locais (13 horas em Brasília), segundo o jornal espanhol El País.

 

As autoridades fornecerão o número de votos recebido por cada grupo ou aliança política em vez das porcentagens finais, de acordo com o porta-voz da comissão, Qasim al-Abudi. De acordo com os últimos dados parciais, quando 95% das urnas já haviam sido apuradas, a diferença total de votos entre o primeiro e o segundo colocado era de cerca de 11 mil votos.

 

Segundo fontes da Comissão, as coalizões do primeiro-ministro, Nouri al-Maliki, e a de seu principal rival, o ex-premiê Iyad Allawi, estão separadas por poucos votos. "Não há grande diferença entre as duas principais listas. A diferença será de um ou dois votos", disse o chefe do órgão, Faraj al-Haidari.

 

Os dados apontam que a lista de Allawi, da coalizão laica al-Iraqiya, tenha 2.631.388 de votos, enquanto a Aliança do Estado de Direito, bloco xiita de al-Maliki, tenha 2.620.042. Ambas as coalizões se alternaram na liderança durante as apurações, segundo os números divulgados pela comissão.

 

Os eleitores iraquianos vão escolher 325 deputados para o Parlamento unicameral, o segundo a ser eleito democraticamente desde a invasão militar de 2003 liderada pelos EUA para derrubar o regime do ditador Saddam Hussein. Os parlamentares escolherão o presidente e o primeiro-ministro do Iraque, mas estima-se que ainda haverá semanas ou até meses de negociação para formar a coalizão governante devido à proximidade do número de votos recebido por cada lista.

 

Al-Maliki e o presidente iraquiano, Jalal Talabani, pediram uma recontagem manual dos votos para garantir a transparência do processo, mas a Comissão Eleitoral disse que só o faria nos distritos onde forem denunciadas irregularidades.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.