Rice diz que EUA reduzirão contingente militar no Iraque

Secretária de Estado chega em visita-surpresa ao país e elogia progressos do primeiro-ministro Nouri al-Maliki

Efe e Associated Press,

15 de janeiro de 2008 | 10h16

A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, disse nesta terça-feira, 15, durante uma visita-surpresa a Bagdá, que Washington está decidida a reduzir a presença de militares dos Estados Unidos no país. Durante entrevista coletiva com o primeiro-ministro Nouri al-Maliki, Rice disse ainda que levará em "consideração as recomendações do chefes militares sobre a retiradas dos soldados do país".   Rice parabenizou al-Maliki pela passagem de uma lei reintegrando ao serviço público antigos integrantes do partido de Saddam Hussein e por encorajar a aprovação de outras legislações pretendidas pelos Estados Unidos. A secretária voou de Riad, Arábia Saudita, onde acompanhava o presidente George W. Bush em seu giro pelo Oriente Médio.   A viagem foi anunciada na capital saudita, enquanto Bush se reunia com autoridades da Arábia Saudita. "O presidente Bush e a secretária Rice decidiram que seria uma boa oportunidade para a secretária ir a Bagdá se reunir com autoridades iraquianas para aproveitar progressos já feitos e encorajar novas ações de reconciliação política e legislativas", disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, Gordon Johndroe. Segundo ele, Rice, que conversou com al-Maliki em seu escritório, voltará a Riad na noite desta terça.   Ali al-Dabbagh, porta-voz do al-Maliki, disse que Rice e o premiê tiveram uma reunião de 45 minutos, dos quais 30 minutos foram em particular. Ela teria informado a al-Maliki sobre a viagem de Bush e entregue as congratulações do presidente americano pela passagem da lei, que é considerada pelo governo Bush é um dos 18 passos essenciais para a promoção da reconciliação entre os sunitas, xiitas e curdos do país.   Rice também teria pedido a al-Maliki, segundo o porta-voz, para pressionar pela aprovação de eleições provinciais, emendas constitucionais e uma lei para dividir os recursos provenientes das reservas de gás e petróleo entre as diversas seitas do país.   Enquanto isso, um incêndio provocado por uma explosão feriu quatro trabalhadores numa grande refinaria na cidade sulista de Basra, informou o Ministério do Petróleo. A causa da explosão ainda está sendo investigada.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueEUACondoleezza Rice

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.