Rice e Gates vão ao Oriente Médio oferecer armas e pedir ajuda

Os secretários norte-americanos Condoleezza Rice (Estado) e Robert Gates (Defesa) viajaram na segunda-feira para o Oriente Médio, onde vão oferecer ambiciosos planos de cooperação militar e pedir ajuda para lidar com o Iraque. Rice disse que Washington pretende oferecer um pacote de 13 bilhões de dólares ao Egito e outro de 30 bilhões de dólares para Israel --ampliando verbas militares prévias. O dinheiro seria entregue ao longo de dez anos, e haveria uma ajuda não-especificada também para a Arábia Saudita e outros Estados do golfo Pérsico. "Este esforço ajudará a fortalecer as forças da moderação e a dar apoio a uma estratégia mais ampla para conter as influências negativas da Al Qaeda, do Hezbollah, da Síria e do Irã", disse Rice. Numa rara viagem conjunta, os dois secretários vão se reunir com líderes no Egito e na Arábia Saudita antes de rumarem separados para outros destinos na região. Fontes do governo dizem que o objetivo da visita é sinalizar a antigos aliados no Oriente Médio que os EUA continuam comprometidos com a região, apesar dos seus problemas no Iraque e da crescente força do Irã. O pacote saudita deve incluir ajuda militar para as forças áreas e navais e para a defesa antimísseis. Uma fonte disse que o pacote para a Arábia Saudita e os outros países do golfo Pérsico pode atingir 20 bilhões de dólares ao longo de dez anos. Os programas ainda têm de ser aprovados pelo Congresso, onde devem enfrentar alguma resistência --especialmente o pacote para a Arábia Saudita, que críticos acusam de não estar ajudando os esforços dos EUA no Iraque. Autoridades norte-americanas pedem a Riad e a outros governos sunitas que dêem mais apoio ao primeiro-ministro iraquiano, Nuri Al Maliki, que tem apoio dos EUA, mas é xiita. "Precisamos de cooperação e ajuda de todos os nossos amigos na área para lidar efetivamente com a situação no Iraque", disse o embaixador dos EUA na ONU, Zalmay Khalilzad, na segunda-feira. "Sobre o Iraque, nós iríamos nos beneficiar, os iraquianos vão se beneficiar, a região vai se beneficiar com uma cooperação saudita reforçada no sentido de estabilizar a região", afirmou ele a jornalistas. (Reportagem adicional de Patrick Worsnip na sede da ONU)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.