Rice pressiona Israel sobre assentamentos e bloqueios

Estados Unidos acreditam que um acordo de paz israelo-palestino ainda seja possível

ARSHAD MOHAMMED E MOHAMMED ASSADI, REUTERS

04 de maio de 2008 | 13h10

A secretária de Estadonorte-americana, Condoleezza Rice, pressionou neste domingoIsrael para que alivie as restrições de viagem aos palestinos equalificou os assentamentos judaicos na Cisjordânia ocupada de"particularmente problemáticos". Mas ela afirmou que os Estados Unidos acreditam que umacordo de paz israelo-palestino ainda seja possível antes de opresidente norte-americano, George W. Bush, deixar o cargo emjaneiro. Rice elogiou a "profundidade e seriedade" dasnegociações. "Nós continuamos a acreditar que um acordo entre palestinose israelenses é uma meta alcançável até o fim do mandato dopresidente Bush", disse Rice depois de um encontro com opresidente palestino, Mahmoud Abbas, em Ramallah. Negociações em questões centrais para o conflito no OrienteMédio foram lançadas em uma conferência patrocinada pelos EUAna cidade de Annapolis, Estado de Maryland, em novembro. Numaentrevista coletiva com Rice, Abbas expressou seu compromissopermanente para os esforços de paz. Mas as conversações israelo-palestinas têm sidoprejudicadas pela violência, basicamente ao longo da fronteirada Faixa de Gaza -- que atualmente é controlada pelo grupoislâmico Hamas, opositor de Abbas -- e pela expansão dosassentamentos de Israel na Cisjordânia, que os palestinos tememque possam impedi-los de ter um Estado viável. Na entrevista à imprensa, Rice afirmou que os EUAconsideram os assentamentos "particularmente problemáticos ànecessária atmosfera de confiança". Rice iniciou no sábado sua visita de dois dias à região aodizer que iria analisar os passos de Israel na Cisjordânia paraver se eles melhoraram o cotidiano dos palestinos. Isto incluias promessas de remoção de bloqueios na Cisjordânia. Rice afirmou ter levantado essa questão tanto com oprimeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, como com o ministroda Defesa do país, Ehud Barak, avaliando se a remoção dessesbloqueios teria um efeito significativo nos deslocamentos dospalestinos. "Estamos tentando não olhar apenas para a quantidade, mastambém para a qualidade dessas melhorias", disse ela. Em declarações divulgadas no domingo, Olmert não deudetalhes das discussões. Abbas e Olmert devem reunir-se na segunda-feira, depois dapartida de Rice.

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDRICEBLOQUEIOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.