Rompimento de acordo deixa 270 rebeldes sírios sem saída em Homs

Cerca de 270 rebeldes sírios que deveriam deixar a cidade de Homs, como parte de um complexo acordo com as forças do presidente Bashar al-Assad, são mantidos na cidade pelo Exército da Síria porque insurgentes em outras partes do país não cumpriram sua parte no acerto, disseram autoridades sírias nesta sexta-feira.

MARWAN MAKDESI, Reuters

09 Maio 2014 | 10h23

Depois de um ano de cerco, cerca de 1.200 rebeldes e moradores do centro antigo de Homs deixaram a cidade em ônibus esta semana em troca da libertação de dezenas de cativos mantidos por insurgentes nas províncias de Aleppo e Latakia, no norte do país.

Autoridades disseram que os rebeldes também concordaram em permitir a entrega de ajuda a duas cidades xiitas do norte que estão sob o cerco dos oposicionistas, Nubl e al-Zahraa, mas nesta sexta-feira um comboio com alimentos e suprimentos médicos estava parado em postos de controle dos insurgentes do lado de fora das cidades.

As autoridades sírias, que falaram sob a condição de manter o anonimato, disseram que os 270 rebeldes remanescentes só poderão deixar Homs quando a ajuda chegar às cidades de Nubl e Zahraa. Elas não especificaram que grupos impediram a entrega dos suprimentos.

Ativistas dizem que a Frente Nusra, grupo ligado à Al Qaeda, bloqueou a passagem dos comboios para as cidades, mas outros rebeldes armados também estão ativos na área.

Mais conteúdo sobre:
SIRIA REBELDES HOMS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.