Rússia contesta pressão do Ocidente contra o Irã

A Rússia contestou a pressão depotências ocidentais de endurecer suas sanções contra o Irãdevido ao seu programa nuclear, na quarta-feira, dias antes deo presidente Vladimir Putin ir a Teerã para negociações, epouco antes da visita a Moscou da secretária de Estadonorte-americana, Condoleezza Rice. Várias potências acreditam que o Irã possui um programa dearmas atômicas sob a fachada de seu programa nuclear civil, eexigem uma terceira rodada de sanções contra o país. A Rússiapode usar seu poder de veto no Conselho de Segurança da ONUpara barrar a iniciativa. O ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov,afirmou, segundo agências de notícias locais, que seria"irresponsável" tomar medidas abruptas contra o Irã enquanto aAIEA, agência nuclear da ONU, não tiver concluído suasnegociações com Teerã. Putin já tinha afirmado, também na quarta-feira, depois deconversar com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, em Moscou,que não tem provas de que o Irã esteja tentando construir umabomba nuclear. Ele disse que Moscou vai cooperar dentro do âmbito da ONU."Enquanto a AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) nãoinformar o que está acontecendo no Irã, enquanto não recebermosessas respostas, seria irresponsável fazer qualquer movimentoabrupto", disse Lavrov, segundo a RIA. Putin vai a Teerã na semana que vem participar de umaconferência entre os países da região do mar Cáspio. Ele devese reunir com o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad. Depois, na mesma semana, Rice e o secretário da Defesa dosEUA, Robert Gates, chegam a Moscou para falar sobre questões desegurança e armamentos. O Irã nega estar buscando uma arma atômica e diz que sóquer dominar a tecnologia para gerar energia elétrica. Os EUAdizem querer uma solução diplomática para o problema, mas nãodescartam uma ação militar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.