Rússia critica Irã por continuar programa para enriquecer urânio

Até agora Conselho de Segurança adotou duas resoluções com sanções contra programa iraniano

Efe,

14 de fevereiro de 2008 | 04h43

O ministro de Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, criticou nesta quarta-feira os planos iranianos de desenvolver um sistema de foguetes e de continuar com seu programa de enriquecimento de urânio, informa a agência russa Interfax. Lavrov indicou que a Rússia "desaprova a demonstração permanente" que o regime iraniano realiza sobre suas intenções de avançar no processo de enriquecimento de urânio e de contar com um sistema de foguetes próprio. O titular de exteriores russo disse que embora sob o ponto de vista do direito internacional estas ações "não estejam proibidas", também não se pode ignorar que nos últimos anos surgiu "uma longa lista de problemas" referentes ao programa nuclear iraniano. O Conselho de Segurança adotou até agora duas resoluções com sanções contra o Irã para obrigar o país a suspender suas atividades do enriquecimento de urânio, que pode ter uso civil ou militar. Neste sentido, o ministro russo assinalou que é aconselhável que o Irã se abstenha de emitir declarações ou realizar ações que dêem "a impressão de que decidiu ignorar a comunidade internacional, o Conselho de Segurança das Nações Unidas e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA)". Na última segunda-feira, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, enumerou as "conquistas" nucleares e espaciais da Revolução Islâmica, e anunciou que seu país lançará ainda este ano dois foguetes espaciais com um satélite iraniano, para funções de telecomunicações. O Irã afirma que seu programa nuclear tem fins pacíficos, enquanto os países ocidentais suspeitam que o país tenta obter uma arma nuclear.

Mais conteúdo sobre:
Irãprograma nuclearRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.