Rússia e China pedem que Irã aceite proposta para troca de urânio

Segundo diplomata russo, aliados de Teerã têm mudado postura sobre impasse nuclear

estadao.com.br

24 de março de 2010 | 09h49

MOSCOU - A Rússia e China querem que o Irã aceite a proposta da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) para enviar urânio para ser enriquecido fora do país, disse um membro do ministério das Relações Exteriores russo à agência Reuters nesta quarta-feira, 24.

Veja também:

especial O programa nuclear do Irã

especial O histórico de tensões e conflitos do Irã

Os dois países têm poder de veto no Conselho de Segurança da ONU e são aliados de Teerã. A oferta da AIEA, feita em outubro, visa diminuir o risco do Irã desenvolver armas atômicas, uma vez que o urânio seria enriquecido em outros países em níveis mais baixos (20%) do que o necessário para construir a bomba (95%).

Diplomatas ocidentais afirmam que os dois países já informaram ao regime dos aiatolás que uma mudança no impasse nuclear com o Ocidente é necessária.

" A essência deste encontro era induzir Teerã a agir dentro do acordo previamente esboçado pelo grupo dos seis", disse o diplomata. O grupo dos seis, formado pelos cinco países com assento permanente no Conselho de Segurança (EUA, Reino Unido, França, Rússia e China) mais a Alemanha, negocia uma saída diplomática para a questão nuclear iraniana.

Na semana passada, o chanceler russo, Sergei Lavrov, disse que o Irã estava perdendo a oportunidade de uma cooperação normal com a comunidade internacional. Nos últimos meses, após o Irã rejeitar a proposta da AIEA, a Rússia já havia dado sinais de que poderia apoiar sanções mais duras contra o país, enquanto a China ainda insiste que as negociações devem continuar.

Com informações da Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaChinaIrãimpasse nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.