Rússia pede negociações entre Gaddafi e rebeldes da Líbia

O presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, pediu a Muammar Gaddafi e aos rebeldes líbios que parem de lutar e sentem-se para conversar, afirmando que o veterano líder ainda tem algum poder e força militar.

REUTERS

24 de agosto de 2011 | 10h43

"Queremos que os líbios cheguem a um acordo entre eles", disse Medvedev nesta quarta-feira, depois de conversar com o líder norte-coreano, Kim Jong-il, na Sibéria.

"Nós gostaríamos que (o combate) parasse assim que possível e que eles sentassem na mesa de negociação e chegassem a um acordo sobre o futuro da Líbia", afirmou ele, em seu primeiro comentário público sobre o país africano desde que Gaddafi fugiu do seu quartel-general em Trípoli.

"Apesar do sucesso dos rebeldes na ofensiva em Trípoli, Gaddafi e seus aliados ainda mantêm alguma influência e potencial militar", disse.

Medvedev descreveu a posição de Moscou sobre a Líbia como "cautelosa" e disse que a Rússia estava acompanhando de perto a situação.

Ele sugeriu ainda que o país poderá estabelecer relações formais com os rebeldes se eles emergirem como uma força com apoio público de toda a nação -- um sinal de que a Rússia estaria inclinado a reconhecer as forças que devem derrubar o regime de 42 anos de Gaddafi.

"Se os rebeldes tiverem força suficiente e oportunidade de unir o país para um novo início democrático, então naturalmente, nós vamos considerar estabelecer relações com eles", disse.

Mais de 30 países, incluindo Estados Unidos e nações da União Europeia, reconheceram o Conselho Nacional de Transição dos rebeldes como a nova autoridade líbia.

(Reportagem de Denis Dyomkin)

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIARUSSIAMEDVEDEV*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.