SAIBA MAIS-Grupos armados que operam no sul do Líbano

Pelo menos três foguetes disparados do Líbano atingiram o norte de Israel na quinta-feira, num ataque visto como estando vinculado à ofensiva de Israel contra islâmicos do Hamas na Faixa de Gaza. Nenhum grupo reivindicou o ataque. Há vários suspeitos possíveis. Os foguetes foram disparados desde o reduto do Hezbollah no sul do Líbano, que é oficialmente controlado pelo Exército libanês e pela força de manutenção da paz da ONU. O sul do Líbano foi palco de uma guerra feroz de 34 dias entre Israel e guerrilheiros libaneses em 2006. Seguem alguns dados sobre os possíveis suspeitos pelo ataque com foguetes: HEZBOLLAH O poderoso grupo político e militar tem milhares de combatentes bem treinados que resistiram ao avassalador ataque israelense em 2006. O grupo conta com apoio forte do Irã e da Síria e é considerado pelos Estados Unidos uma organização terrorista. O Hezbollah é a força militar dominante no Líbano, mais forte que qualquer outra facção ou que o Exército libanês. Seu arsenal, estimado em dezenas de milhares de foguetes, armamentos antitanque sofisticados e possivelmente baterias antiaéreas, é suprido principalmente pelo Irã, através da Síria. O Hezbollah ainda conserva um reduto no sul do país, mesmo depois de a força de manutenção de paz da ONU ter sido aumentada para 13.500 homens dispostos ao longo da fronteira libanesa-israelense, após o fim da guerra de 2006. O grupo também tem posições fortificadas no leste do vale do Bekaa. GRUPOS PALESTINOS Vivem no Líbano 400 mil palestinos espalhados entre 12 campos de refugiados em todo o país, sendo o maior deles o campo de Ain al Hilweh, no sul do país. Esses campos abrigam vários grupos palestinos. A Frente Popular pela Libertação da Palestina-Comando Geral, que tem o apoio da Síria, tem bases nos arredores desses campos de refugiados e no leste do vale do Bekaa. O grupo tem foguetes Katyusha, além de armas leves. Nas últimas três décadas, lançou ataques contra Israel desde o Líbano. No ataque mais espetacular, no final dos anos 1980, um guerrilheiro da FPLP-CG voou de asa-delta até o norte de Israel e matou seis soldados perto de uma base do Exército, antes de ser morto a tiros. O líder da FPLP-CG, Ahmed Jibril, já ameaçou abrir uma nova frente contra Israel em meio a ofensiva contra a Faixa de Gaza que começou em 27 de dezembro. MILITANTES ISLÂMICOS Os campos de refugiados palestinos também são um reduto seguro para militantes sunitas inspirados na Al Qaeda, especialmente o campo de Ain al Hilweh, que abriga vários grupos militantes islâmicos e onde o Exército libanês não é autorizado a entrar. Alguns desses grupos incluem membros dos movimentos Jund al Sham, Usbat al Ansar e Fatah al Islam. Acredita-se que eles possuam armas leves e alguns foguetes. Os militantes, alguns dos quais são árabes, são suspeitos de terem lançado ataques contra a força da ONU nos últimos dois anos. O Exército libanês combateu militantes do Fatah al Islam num campo de refugiados do norte do Líbano em 2007, mas alguns desses militantes ainda estão escondidos em Ain al Hilweh.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.