Sanções ao petróleo do Irã afetarão empresas européias

Empresas européias que tem petróleo a receber do Irã podem perdê-lo se Teerã impor um embargo às exportações do produto para a União Europeia na próxima semana, disse o chefe da empresa estatal de petróleo do Irã neste sábado.

HOSSEIN JASEB, REUTERS

28 de janeiro de 2012 | 18h05

O Parlamento do Irã deve debater uma lei no domingo que cortaria o fornecimento de petróleo para a UE em questão de dias, em retaliação a uma decisão na segunda-feira passada, tomada pelos 27 países-membros da UE, de parar de importar o petróleo bruto do Irã até 1 de julho.

"Geralmente, as partes sujeitas a prejuízos com a recente decisão da UE serão as empresas europeias com contratos pendentes com o Irã", disse Ahmad Qalebani, chefe da National Iranian Oil Co. à agência de notícias ISNA.

"As empresas europeias terão que respeitar as disposições dos contratos de compra", disse ele. "Se não o fizerem, serão as partes que vão arcar com as perdas relevantes e ficarão sujeitas à repatriação de seu capital".

Ao virar as sanções contra a UE, parlamentares iranianos esperam negar à Europa o prazo de seis meses que o bloco planejava dar aos países mais dependentes do petróleo iraniano -inclusive alguns com as economias mais fragilizadas- para terem tempo de se adaptar.

A UE proibiu as importações de petróleo do Irã na segunda-feira, e impôs várias outras sanções econômicas, juntando-se aos Estados Unidos em uma nova rodada de medidas que visam desviar o programa de desenvolvimento nuclear de Teerã.

Segundo os contratos de recompra, característica comum da indústria de petróleo iraniana, os investimentos em projetos em campos de petróleo são pagos de volta no produto, geralmente durante vários anos.

A italiana Eni diz que tem a receber entre 1,4 e 1,5 bilhão de dólares em petróleo por contratos no Irã datando de 2000 e 2001, e recebeu a garantia de autoridades europeias que os seus contratos de recompra não farão parte do embargo europeu, mas a possibilidade de o Irã agir primeiro pode colocar isso em dúvida.

A UE respondeu por 25 por cento das vendas do petróleo bruto iraniano no terceiro trimestre de 2011.

Tudo o que sabemos sobre:
IRASANCOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.