James Akena/Reuters
James Akena/Reuters

Sanções contra o Irã são ilegais, diz Ahmadinejad

Presidente afirmou que não irá se submeter às pressões e ameaçou Obama

24 de abril de 2010 | 19h41

Associated Press

 

TEERÃ- O presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad classificou quaisquer sanções da ONU ao Irã pelo programa nuclear do país como ilegais neste sábado, 24, e insistiu que não irá se submeter a nenhuma pressão do Ocidente.

 

Veja também:

linkIrã acusa EUA de tentarem atrapalhar suas relações com a Itália

linkGuarda Revolucionária do Irã deve testar quatro mísseis de cruzeiro

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

 

O líder iraniano, que está há dias em conversações com o presidente de Uganda, Yoweri Museveni, criticou países ocidentais por pressionarem por uma quarta rodada de sanções a Teerã no Conselho de Segurança da ONU.

 

"O programa nuclear do Irã se tornou um grande teste para o mundo tudo", disse Ahmadinejad, acrescentando que os Estados Unidos e o Reino Unido "afirmaram que estão preocupados com a construção de uma bomba atômica, mas eles estão mentindo como os outros mentiram anteriormente".

 

Com a afirmação, o presidente se referiu à alegações não confirmadas dos Estados Unidos de que o regime de Saddam Hussein detinha armas de destruição em massa, razão principal usada pelo governo Bush para justificar a guerra do Iraque em 2003. Uma procura exaustiva pelas armas não teve resultados.

 

"As medidas que foram ou serão tomadas pelos Estados Unidos e seus aliados no Conselho de Segurança da ONU não têm validade legal", afirmou Ahmadinejad. "Nós não submetemos, e nós não aceitamos qualquer tipo de pressão. E nós não seguimos decisões ilegais. Nós pensamos que ao elaborar resoluções contra nós, Obama irá sofrer mais", ameaçou o governante.

 

O presidente Barack Obama ganhou as eleições com a promessa de que faria "uma mudança no comportamento duro" da administração Bush, mas "o fato de que ele vai seguir em tomar decisões contra o povo iraniano, é o fim para seu status", sentenciou Ahmadinejad.

 

Obama tem pressionado por mais sanções econômicas contra o Irã pela recusa do país em cumprir com suas responsabilidades como signatário do Tratado de Não Proliferação Nuclear. O líder americano advertiu que Teerã não pode se tornar uma potência nuclear.

 

A Rússia e a China recentemente bloquearam tentativas dos Estados Unidos, Reino Unido e França, os outros membros permanentes do CS, de estabelecer novas restrições à República Islâmica. Mas a Rússia recentemente manifestou interesse em apoiar sanções "inteligentes" que não afetem o povo iraniano, enquanto a China aparenta estar disposta a apoiar as penalidades, se não forem severas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.