Saudita é condenado a cinco anos por falar sobre sexo na TV

Acusado diz que nãos abia que declarações estavam sendo gravadas; pena inclui mil chibatadas

Agência Estado e Associated Press,

07 de outubro de 2009 | 12h18

Um tribunal da Arábia Saudita sentenciou Mazen Abdul-Jawad a cinco anos de prisão e mil chibatadas por falar publicamente sobre sexo, informou seu advogado nesta quarta-feira, 7. Falar publicamente sobre o tema é um tabu no país muçulmano conservador.

 

Abdul-Jawad teria se gabado de suas conquistas amorosas durante um programa de televisão. O advogado Sulaiman al-Jumeii disse que ele planeja apelar do veredicto e que confia que será revogada a sentença, que inclui a proibição de viajar e conceder declarações à imprensa durante cinco anos após a prisão.

 

Al-Jumeii disse que o cliente foi enganado pelo canal libanês LBC, que transmitiu a atração. Segundo o advogado, Abdul-Jawad não sabia que suas declarações estavam sendo gravadas.

 

O programa foi transmitido em 15 de julho na LBC e visto por satélite na Arábia Saudita, escandalizando o país. Aproximadamente 200 pessoas apresentaram queixas na justiça contra Abdul-Jawad, que trabalha para a companhia aérea nacional

 

Chamado "A atrevida linha vermelha", o programa veiculou Abdul-Jawad descrevendo sua primeira relação sexual, aos 14 anos. Ele mostrou ainda seu dormitório, dominado por acessórios vermelhos e apetrechos eróticos. Segundo o advogado, o cliente se referia às experiências sexuais de outras pessoas e os "brinquedos" eram da própria emissora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.