Secretário da Defesa dos EUA é recebido com bomba em Cabul

Otan diz que ataque, a menos de 8 km do local em que Gates estava, deixou 22 civis afegãos feridos

Reuters,

04 de dezembro de 2007 | 16h38

Um suicida do Taleban jogou um carro contra um comboio da Otan perto do aeroporto de Cabul nesta terça-feira, 4, durante a visita do secretário da Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, para avaliar o aumento da violência no Afeganistão. Não houve registro de mortos em decorrência da explosão, que aconteceu na hora do rush da manhã, disse um representante da aliança. A Otan disse que o ataque, a menos de 8 km do local onde Gates reunia-se com comandantes da Otan, deixou 22 civis afegãos feridos. Um porta-voz do Taliban disse que o ataque foi para "receber" Gates, que chegara a Cabul na noite anterior. O representante da Otan afirmou que um dos veículos do comboio ficou danificado. A explosão de terça-feira é um reflexo do recrudescimento da violência nos últimos dois anos no Afeganistão, o período mais sangrento no país desde a derrubada do Taliban do poder, em 2001. O chefe do Exército afegão, general Bismillah Khan, pediu melhor treinamento e equipamentos para suas forças combaterem o Taliban. "O maior problema é que não temos mentores e orientadores suficientes", disse Khan a Gates depois de os dois visitarem o Centro de Treinamento Militar de Cabul. "O governo dos EUA vem sendo mais que generoso, mas nossas armas não são adequadas", disse ele ao chefe do Pentágono. Khan pediu armas leves, morteiros e veículos blindados. Gates disse que o Pentágono está avaliando formas de acelerar a entrega de armas e suprimentos ao Afeganistão. Mas ressaltou que outros parceiros da Otan no Afeganistão também devem dedicar mais recursos ao combate ao Taliban. Ele já pediu várias vezes à Europa que mande mais soldados de combate, responsáveis pelo treinamento e equipamento para o Afeganistão, e afirmou que os progressos já conquistados podem ser perdidos se a Otan não reunir os recursos pedidos pelos comandantes. "Me sinto como um vendedor saindo pelo mundo em defesa do Afeganistão", disse ele, lembrando que pediu ajuda à China e ao Japão em visitas recentes aos dois países. Os Estados Unidos mantêm 26 mil soldados no Afeganistão. Cerca de metade está envolvida nas operações da Otan, e metade em outras missões. Os ataques cresceram 30 por cento em algumas áreas e as ações suicidas também estão em alta. A guerra no Afeganistão muitas vezes fica ofuscada pela ação dos EUA no Iraque.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoRobert Gates

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.