Sede de partido curdo é fechada por conivência com guerrilha

PSDK, legenda pouco representativa, existe desde 2003 e conta com uma licença do governo de Bagdá

EFE

03 de novembro de 2007 | 14h24

O governo autônomo curdo decretou neste sábado, 3, o fechamento do Partido Democrata Socialista Curdo (PSDK). As autoridades alegam conivência com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), clandestino na vizinha Turquia, que o considera terrorista. A informação é da rede de televisão governamental "Al Iraqiya", que não deu mais detalhes. O PSDK, liderado por Fayeq Kulbi, existe desde 2003 e contava com uma licença do governo central de Bagdá, mas ainda não tinha conseguido outra permissão do governo autônomo curdo. O Partido Democrata Socialista Curdo não é uma legenda especialmente representativa dentro do Curdistão iraquiano, por isso seu fechamento pode ser considerado uma medida simbólica.  A Turquia acusa as autoridades do Curdistão de cumplicidade com o PKK e exigiu medidas concretas contra eles, como expulsá-los de suas montanhas, e entregou uma lista com cerca de cem nomes - turcos, mas também iraquianos - solicitados ao governo de Bagdá.

Tudo o que sabemos sobre:
curdosturquia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.