Série de atentados mata pelo menos 69 pessoas no Iraque

Explosões ocorreram em diversas localidades no país e deixaram pelo menos 150 feridos

estadão.com.br

23 de abril de 2010 | 08h50

 

BAGDÁ - Pelos menos 69 pessoas morreram e outras 150 ficaram feridas em uma série de atentados ocorridos nesta sexta-feira, 23, em diferentes localidades no Iraque. Explosões em mesquitas durante o horário de oração deixaram 56 mortos. Oito pessoas também morreram por conta de bombas que explodiram no oeste sunita do país, menos de uma semana depois que forças iraquianas, apoiadas por soldados dos EUA, mataram três importantes líderes terroristas, sendo dois deles da Al-Qaeda.

 

Veja também:

especialEspecial: As franquias da Al-Qaeda

 

O maior ataque foi contra os escritórios do clérigo Muqtada al-Sadr, autoridade religiosa xiita contrária aos EUA. Esse ataque aconteceu em Cidade Sadr, um bairro pobre de Bagdá. Policiais e funcionários de hospitais afirmaram que pelo menos 25 pessoas morreram e mais de cem ficaram feridas no atentado.

 

Segundo o Ministério do Interior, um total de 13 explosões ocorreram em diferentes zonas da capital iraquiana na hora das orações muçulmanas. A maioria dos incidentes aconteceu perto de mesquitas xiitas e outra ocorreu perto de um mercado.

 

Outras explosões mataram pelo menos 33 pessoas, também no oeste do Iraque. As fontes pediram anonimato, pois não estavam autorizadas a falar com repórteres.

 

Na cidade de Khalidiya, na turbulenta província de Anbar sete membros de uma família e um policial morreram com a explosão de uma bomba. O oficial morreu enquanto tentava desarmar o explosivo.

 

Morte de líderes

 

Os atentados estão sendo vistos como represálias pelas mortes de três líderes da Al-Qaeda no país que aconteceram mais cedo nesta semana. Na terça-feira, Ahmad al-Obeidi, responsável militar da Al-Qaeda nas províncias de Ninawa, Kirkuk e Salah ad-Din, foi morto em uma operação conjunta de segurança, com tropas americanas e iraquianas.

 

Na segunda, Abu Omar al-Bagdadi e Abu Ayub al-Masri foram mortos em um tiroteio com as forças iraquianas. Al-Masri, também conhecido como Abu Hamza al-Muhayer, é o líder da Al-Qaeda no Iraque, enquanto al-Bagadi é considerado o máximo dirigente do Estado Islâmico do Iraque, uma coalizão terrorista com estreitos vínculos com a Al-Qaeda.

 

(Com informações das agências Efe, Reuters e AP)

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueBagdáatentadosmesquita

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.