Série de atentados no Iraque mata ao menos 35 pessoas

Explosões coordenadas atingem área residencial; é o quarto ataque em cinco dias

KHALID AL-ANSARY E WALEED IBRAHIM, estadao.com.br

06 de abril de 2010 | 07h20

BAGDÁ - Uma série de cinco ataques coordenados destruíram sete prédios e mataram pelo menos 35 pessoas em Bagdá nesta terça-feira, 6. De acordo com fontes médicas, o número de mortos nos ataques de hoje chega a 39. Uma sexta explosão, ainda não confirmada pelo ministério do Interior, teria deixado outros seis mortos.  É o quarto ataque em cinco dias no país, que deixou, no total, mais de 90 mortos.

O aumento da violência vem num momento de incerteza sobre quem formará o próximo governo quase um mês depois de uma eleição parlamentar que não produziu um vencedor claro. As negociações para a formação de uma coalizão de governo ainda podem levar meses.

Equipes de resgate vasculhavam os escombros de um prédio de três andares que desabou no distrito de Allawi, região central de Bagdá, em busca de sobreviventes. O prédio abrigava um café lotado no térreo e apartamentos nos andares de cima, segundo testemunhas.

"De repente escutamos uma grande explosão e então esse prédio desabou. Muitas pessoas ainda estão sob os escombros", disse um homem no local.

Uma fonte policial disse que as explosões mataram 28 pessoas e feriram 93. Uma fonte do Ministério do Interior confirmou o mesmo número de mortos, mas afirmou que 75 pessoas ficaram feridas.

O porta-voz de segurança de Bagdá, general Qassim al-Moussawi, responsabiliza remanescentes da Al Qaeda e simpatizantes do ex-ditador Saddam Hussein e seu Partido Baath pela onda de ataques, iniciada na sexta-feira.

Moussawi disse que 22 pessoas morreram nos ataques desta terça-feira e 134 ficaram feridas. "Estamos num campo de batalha e temos de esperar qualquer tipo de ataque", disse ele à emissora de TV estatal.

Com informações da Reuters e da AP

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUEEXPLOSOESBAGDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.