Série de bombas e tiros mata ao menos 20 no Iraque

Ao menos 20 pessoas foram mortas e 35 ficaram feridas, nesta quarta-feira, por explosões e tiros no Iraque, disseram fontes policiais e médicas, no mais recente em uma série de ataques que ameaçam levar o país de volta a um amplo conflito sectário armado.

Reuters

27 de novembro de 2013 | 09h22

Quatro homens-bomba atacaram um posto policial em Ramadi, no oeste de Bagdá, matando quatro policiais e ferindo 15. Outro suicida atacou um posto policial logo ao norte de Ramadi, matando quatro policiais e ferindo sete, disseram as fontes.

Um ataque a bomba atingiu uma patrulha do Exército iraquiano na cidade de Qaim, na fronteira com a Síria. Um soldado morreu e outro ficou ferido, disse a polícia.

No bairro predominantemente xiita de Huriiya, no noroeste de Bagdá, homens armados abriram fogo contra uma família de muçulmanos sunitas, matando todos os cinco integrantes.

Em Bayaa, outro bairro em maior parte xiita, no sul da capital, homens munidos de armas equipadas com silenciadores abriram fogo contra um terminal de ônibus, matando uma pessoa e ferindo três.

Outro ataque a bomba foi detonado no bairro de maioria sunita de Doura, no sul de Bagdá, matando duas pessoas e ferindo quatro. Um dispositivo similar matou uma pessoa e feriu outra no bairro predominantemente xiita de Talbiya, norte da capital.

Tiros de morteiro mataram duas pessoas e feriram quatro na área sunita de Arab Jubbor, região sul de Bagdá, disseram a polícia e médicos.

Nenhum grupo assumiu imediatamente a responsabilidade pelos ataques desta quarta-feira.

O governo afirma que escalada na violência foi provocada por grupos islâmicos sunitas, incluindo a Al Qaeda, que aumentaram os ataques em 2013 e recuperaram terreno e influência no oeste do Iraque.

(Reportagem de Kareem Raheem em Bagdá e Kamal Nema em Ramadi)

Mais conteúdo sobre:
IRAQUECONFLITOMORTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.