Síria aceita cooperar com investigação sobre reator nuclear

A Síria disse aos diretores da agência deinspeção nuclear da ONU nesta quinta-feira que irá cooperar comuma investigação sobre alegações da inteligência dos EstadosUnidos de o país teria construído secretamente um reatoratômico com ajuda da Coréia do Norte, disseram diplomatas. Os Estados Unidos e a Europa pediram que a Síria dê aosinvestigadores da ONU livre acesso para qualquer inspeçãodepois que o governo de Damasco afirmou que iria barrá-los delugares que foram considerados suspeitos pelos Estados Unidos. Foi o primeiro avanço na questão nuclear da Síria obtidopela direção da Agência Internacional de Energia Atômica quecomanda uma missão na Síria entre os dias 22 e 24 de junho. Damasco negou qualquer atividade nuclear escondida. Ogoverno de Washington diz que o reator, destruído em um ataqueaéreo israelense em setembro de 2007, foi desenvolvido paraenriquecer plutônio como combustível para bombas atômicas. A Síria, um desafeto dos Estados Unidos e aliada do Irã,cujo programa secreto de enriquecimento de urânio tem estadosob suspeita desde 2003, não fez nenhum comentário públicosobre a missão da AIEA, mas confirmou seu consentimento emrelação ao encontro dos diretores em Viena. Os diplomatas no encontro citaram Ibrahim Othman, diretorda agência de energia atômica da Síria, que teria dito que osinspetores podem checar o estabelecimento de al-Kibar, ondeWashington diz que o reator estava próximo de sua finalizaçãoantes do ataque de Israel. "Ele disse que a Síria demonstrou transparência ao permitirque inspetores possam visitar al-Kibar e não colocouobstáculos", disse um diplomata em uma reunião fechada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.