Síria cometeu crimes contra a humanidade, diz relatório da ONU

Uma comissão da Organização das Nações Unidas (ONU) que investiga a Síria disse na segunda-feira que os militares e as forças de segurança sírias cometeram crimes contra a humanidade, incluindo homicídio, tortura e estupro, e que o governo do presidente Bashar al-Assad tem responsabilidade por isso.

STE, REUTERS

28 de novembro de 2011 | 15h52

O painel, que entrevistou 223 vítimas e testemunhas, incluindo desertores, pediu que a Síria encerre as "graves violações aos direitos humanos", liberte os prisioneiros detidos em prisões em massa e permita que jornalistas, funcionários de assistência humanitária e monitores de direitos humanos entrem no país.

A Síria é "responsável por atos criminosos, incluindo crimes contra a humanidade, cometidos por membros de suas forças militares e de segurança, como documentado no presente relatório", disse o painel formado por três integrantes em um relatório de 39 páginas apresentado ao Conselho de Direitos Humanos da ONU.

Ele cataloga execuções, tortura, estupros até de crianças, detenções arbitrárias e abduções perpetradas desde março pelas forças sírias que reprimem os manifestantes pró-democracia, enquanto desfrutam de uma "impunidade sistêmica" por seus crimes, diz o documento.

"A comissão, portanto, acredita que as ordens para atirar e maltratar civis originaram das políticas e das diretivas emitidas nos níveis mais elevados das Forças Armadas e do governo", disse o painel, liderado pelo especialista brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro.

Mais de 3,5 mil pessoas foram mortas com a violência, de acordo com a ONU. Os ativistas afirmam que até 30 mil foram presos, muitos deles mantidos em estádios a céu aberto.

O Conselho de Segurança da ONU chegou perto de tomar uma ação contra a Síria, mas China e Rússia vetaram uma resolução em outubro. Após contínuas críticas internacionais da condução da crise por Assad, a Liga Árabe aprovou sanções contra a Síria no domingo.

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIAONURELATORIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.