Síria deixará monitores da Liga Árabe ficarem mais tempo no país

Comissão foi enviada por órgão regional para verificar abusos cometidos pelo governo

Reuters

17 de janeiro de 2012 | 15h23

BEIRUTE - A Síria aceitará estender a missão da Liga Árabe para monitorar o cumprimento de um plano destinado a pôr fim a dez meses de violência, mas se opõe ao aumento da amplitude de seu mandato, disse uma fonte árabe na terça-feira, 17.

 

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

 

Uma equipe de observadores da Liga Árabe que está na Síria desde o final de dezembro deve relatar nesta semana que Damasco tem fracassado em implementar por completo o plano de paz árabe e os monitores têm relatado que a violência continua. O mandato da missão acaba na quinta-feira, e chanceleres árabes deve discutir o futuro da missão no dia 22 de janeiro.

"O resultado dos contatos que têm ocorrido ao longo da semana passada entre a Liga Árabe e a Síria afirmou que a Síria não rejeitará a renovação da missão de monitoramento árabe por outro mês... se os ministros das Relações Exteriores árabes pedirem por isso na próxima reunião", afirmou a fonte da Liga Árabe.

A fonte disse que China e Rússia pediram que o presidente sírio, Bashar Assad, aceite a ampliação da missão de monitoramento como forma de evitar uma escalada no nível internacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.