Reuters
Reuters

Síria nega uso de bombas de fragmentação

Filmagens feitas perto de Alepo e Damasco mostram o que seria esse tipo de armamento

Reuters

15 de outubro de 2012 | 16h09

BEIRUTE - O governo da Síria negou nesta segunda-feira, 15, ter usado bombas de fragmentação nos embates contra os rebeldes que tentam derrubar o presidente Bashar Assad, sob alegação de não possuir armas desse tipo.

Um breve comunicado militar veiculado na televisão estatal veio em resposta a um relatório da Human Rights Watch, dizendo que as forças do governo lançaram bombas de fragmentação de fabricação russa sobre áreas civis. "O Exército Árabe Sírio não possui esse tipo de armas e afirma que essas informações (sobre o uso delas) são completamente não verdadeiras", disse o comunicado do Exército.

As bombas de fragmentação explodem no ar, lançando dezenas de bombas menores sobre uma área do tamanho de um campo de futebol. A maioria dos países proibiu o uso desses dispositivos seguindo uma convenção que se tornou lei internacional em 2010. A Síria, entretanto, não assinou a convenção.

Um clipe, que segundo ativistas foi filmado na cidade de Al-Bab, a nordeste de Alepo, mostrou submunições de fragmentação lançadas pelo chão do que disseram ser uma casa civil. Outro trecho da filmagem feito em Hammouriyeh, zona rural de Damasco, mostrou o remanescente do que parecia ser uma bomba de fragmentação, que segura as bombas menores antes de elas serem lançadas.

Veja vídeo, em inglês, da Human Rights Watch sobre o uso de bombas de fragmentação na Síria:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.