Reuters
Reuters

Síria permite acesso de inspetores da ONU a locais de ataque químico

Regime dá sinal verde para que inspetores analisem uso de armas químicas contra civis, mas EUA dizem que decisão veio ‘tarde demais’

25 de agosto de 2013 | 11h55

WASHINGTON - A chancelaria da Síria informou ontem que o governo decidiu permitir que inspetores da ONU analisem os locais no subúrbio de Damasco que teriam sido alvos de ataques de armas químicas. Os EUA, porém, desprezaram a oferta e disseram que ela “veio tarde demais”, o que aumenta as chances de uma intervenção militar no conflito.

Segundo a oposição síria, forças leais ao ditador sírio, Bashar Assad, usaram armas químicas contra civis no dia 21, matando cerca de 1,3 mil pessoas. Damasco nega. Ontem, o primeiro-ministro sírio, Wael al-Halqi, afirmou que as denúncias são “uma conspiração barata e clara” impulsionada pelos rebeldes.

Segundo especialistas, os inspetores da ONU que estão na Síria para investigar o caso correm contra o tempo para colher provas do uso de armas químicas no conflito. Por isso, muitos receberam com ceticismo a permissão do governo sírio. “Um acordo foi concluído para permitir que a equipe da ONU investigue as acusações de utilização de armas químicas em Damasco”, informou ontem a chancelaria síria, em comunicado.

Ataque. Um funcionário de alto escalão do governo americano, no entanto, disse ontem à agência Reuters que o convite feito por Damasco era “inadequado”. “Se os sírios não tinham nada a esconder, deveriam ter deixado os inspetores entrarem há cinco dias, após o ataque ter sido relatado pela primeira vez”, disse o funcionário.

“Neste momento, qualquer decisão é demasiado tardia para ser digna de crédito, inclusive porque a evidência disponível foi significativamente danificada como resultado de persistentes bombardeios e outras ações intencionais do regime nos últimos cinco dias”.

Os presidentes dos EUA, Barack Obama, e da França, François Hollande, e o premiê britânico, David Cameron, conversaram seguidas vezes sobre o tema nas últimas 48 horas. Os três buscam uma resposta rápida e conjunta aos ataques com armas químicas e não descartam uma intervenção militar contra o regime de Assad. / NYT, REUTERS, AFP e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.