Síria pode ter construído instalação nuclear secreta, diz jornal

Agências de inteligência de países do Ocidente suspeitam que a Síria pode ter construído uma instalação nuclear secreta perto de Damasco, informou um jornal alemão. Uma organização norte-americana sugeriu que a instalação poderia estar ligada a um local bombardeado por Israel em 2007.

REUTERS

24 de fevereiro de 2011 | 10h02

Se forem confirmadas, as informações publicadas nesta quinta-feira pelo Sueddeutsche Zeitung aumentariam os temores do Ocidente de que o Estado árabe teria desenvolvido atividades nucleares secretas antes do ataque israelense, o que poderia aumentar a pressão sobre a agência de fiscalização nuclear da ONU para tomar medidas.

O Instituto para a Ciência e Segurança Internacional (ISIS), organização de pesquisa sediada em Washington, disse que o estado operacional da instalação, localizada perto da cidade de Marj as Sultan, não era conhecido.

"No entanto, há suspeitas de que a Síria pode ter esvaziado os prédios antes de meados de 2008 e tomado medidas para disfarçar as atividades anteriores no local", disse o instituto em uma análise publicada junto com o artigo do jornal alemão.

A Síria rejeitou durante mais de dois anos a visita de inspetores da ONU ao local destruído por Israel, em setembro de 2007. Segundo a inteligência norte-americana, a área bombardeada era o berço de um reator nuclear projetado pela Coreia do Norte com o objetivo de produzir combustível para bombas.

O jornal Sueddeutsche Zeitung disse ter obtido fotos supostamente tiradas no interior de dois prédios em outro local, 15 quilômetros a leste da capital e na fronteira com uma base militar. Não se sabe exatamente quando as fotos foram tiradas.

"Mas junto com outras informações, as fotos permitem pela primeira vez uma suspeita convincente de que a Síria estava no processo de construir uma instalação para a conversão de urânio -- uma etapa preliminar na produção de barras de combustível", que poderiam ser usadas no suposto reator, disse o jornal.

A Síria, que é aliada do Irã, nega ter desenvolvido um programa de armas nucleares e diz que a Agência Internacional de Energia Atômica deveria preocupar-se mais com Israel devido a seu arsenal nuclear não declarado e por nunca ter assinado o Tratado de Não Proliferação Nuclear.

(Reportagem de Michael Shields e Fredrik Dahl)

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIANUCLEARINSTALACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.