Síria precisa de até 15 mil rebeldes para retomar leste do país, diz militar dos EUA

Síria precisa de até 15 mil rebeldes para retomar leste do país, diz militar dos EUA

O Pentágono afirmou que suas equipes de avaliação já chegaram à Arábia Saudita para ajudar a traçar um programa liderado pelos EUA que deve treinar mais de 5.000 combatentes

REUTERS

26 de setembro de 2014 | 19h55

Cerca de 12.000 a 15.000 combatentes de uma força de oposição apoiada pelo Ocidente serão necessários para retomar áreas do leste da Síria controladas por militantes do Estado Islâmico, disse o mais alto oficial militar norte-americano nesta sexta-feira, quando o Pentágono delineou os primeiros passos de um programa de treinamento liderado pelos Estados Unidos que poderia durar vários anos.

O Pentágono afirmou que suas equipes de avaliação já chegaram à Arábia Saudita para ajudar a traçar um programa liderado pelos EUA que deve treinar mais de 5.000 combatentes apoiados pelo Ocidente no primeiro ano.

A esperança é que uma força de oposição moderada bem organizada e equipada possa tirar proveito de ataques aéreos liderados pelos EUA contra os combatentes sunitas do Estado Islâmico, que tomaram enormes faixas da Síria.

O general Martin Dempsey, chefe do Estado Maior das Forças Armadas dos EUA, alertou que o treinamento de 5.000 é apenas o começo de um longo processo para derrotar o grupo.

"Cinco mil nunca foi a meta final ... Doze a 15 mil é o que nós acreditamos que seria necessário para recuperar o território perdido no leste da Síria", disse Dempsey em entrevista coletiva no Pentágono.

"Nós temos que fazer isso direito, não rápido", completou.

O Congresso deu na semana passada uma aprovação provisória para o plano do Pentágono de treinar membros da oposição moderada da Síria. O plano deverá custar 500 milhões de dólares em seu primeiro ano.

O porta-voz de Dempsey disse à Reuters que a estimativa de 12 mil a 15 mil foi desenvolvida assumindo um período de dois a três anos para treinar os combatentes.

(Por Phil Stewart e Missy Ryan)

Mais conteúdo sobre:
SIRIAREBELDESNECESSARIOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.