Site propõe sexo entre palestinos e israelenses para a paz

Com centenas de vídeos pornôs amadores, página israelense prega a mensagem 'faça amor, não guerra'

19 de maio de 2008 | 17h34

Um site pornográfico israelense propõe a paz no Oriente Médio de uma maneira inusitada. Com imagens amadoras, o Parpar1.com mostra relações entre árabes e judeus - mas somente para fins eróticos, aponta o jornal israelense Haaretz em sua edição online nesta segunda-feira, 19.  Fundado por dois técnicos de informática, na página é possível encontrar as seções 'Lésbicas Kosher', 'A Filha do Rabino' e 'Festa de Sexo em Jerusalém" desde 2001. O Parpar1 traz ainda centenas de horas de vídeos pornôs amadores.  Segundo o Haaretez, trata-se de um serviço pago, que também pode ser visto via celular. O co-proprietário Avi Levy explicou que o conteúdo adulto pode ser acessado na Inglaterra, Espanha e Itália, e em breve chegará à Romênia. Além disso, uma emissora de televisão paga no Canadá já exibe as imagens. Apesar de um vídeo introdutório mostrar a mensagem 'faça amor, não guerra', o programador de 42 anos assegura que seu site tem fins apenas comerciais, sem tom político, destaca o diário israelense. "Eu não sou político. Eu estou aqui para fazer dinheiro", afirmou Levy. Ele e seu sócio, Shay Malol, disseram ao Haaretz que estavam convencidos de que o caminho para o sucesso no novo negócio estava em oferecer algo novo no universo da pornografia. Nenhum dos "atores" nos filmes do Parpar1 nasceram fora da Terra Santa. "Muitos russos me ligaram, mas eu não os contratei", disse Levy, referindo-se a recente onda de imigrantes em Israel.  Apesar do co-proprietário do Parpar1 dizer que há árabes em outros lugares que filmam suas relações sexuais com as esposas e publicam as imagens na internet, ele acredita que Israel é o único país no Oriente Médio onde o comércio pornô opera abertamente. Mas o Parpar1 não funciona de forma completamente aberta, ressalta o Haaretz - nos extratos bancários dos clientes do site, ao invés de aparecer o nome na página, a despesa é mostrada como 'abastecimento de combustível.'

Tudo o que sabemos sobre:
Oriente MédioIsraelPalestina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.