Sobrevivente do Holocausto obtém ressarcimento 70 anos depois

Uma universidade israelense concedeuna terça-feira a um sobrevivente de 85 anos de idade doHolocausto nazista uma restituição por taxas pagas por seu paiem seu nome pouco antes do início da Segunda Guerra Mundial. Barukh Kaplan, nascido na Polônia, matriculou-se paraestudar química na Universidade Hebraica de Jerusalém em junhode 1939. Pouco antes de Kaplan partir para a Palestina, entãogovernada pela Grã-Bretanha, os nazistas invadiram o territóriopolonês e o sobrevivente fugiu para a União Soviética. "Meu pai, Yaakov Kaplan, pagou à universidade taxas que megarantiriam dois anos de estudo, e a universidade me enviou umrecibo", escreveu Kaplan à instituição de ensino, dois mesesatrás. "Eu tinha todos os documentos necessários para imigrar,mas não consegui chegar a Jerusalém." Kaplan, que acabou se mudando para Israel em 1992, pediu oressarcimento em meio a uma onda de exigências feitas porsobreviventes do Holocausto, que querem um maior apoiofinanceiro do governo israelense a fim de pagar gastos cada vezmaiores com a saúde e outros setores. Uma porta-voz da Universidade Hebraica afirmou que ainstituição de ensino havia concedido uma restituição completaa Kaplan, como gesto de boa vontade, totalizando 17.044 shekels(3.933 dólares) pelos dois anos de estudo, apesar de não haverregistro do pagamento realizado quase 70 anos atrás. Kaplan lutou pelo Exército Vermelho contra os nazistas pormais de três anos até ser ferido em 1945 e ter uma pernaamputada. Ele estudou química na Universidade de Moscou etornou-se um importante expoente dessa área na União Soviética. O sobrevivente, que não pôde ser encontrado para falarsobre o caso, afirmou à Universidade Hebraica que usaria odinheiro da restituição para pagar pelos estudos de uma de suasbisnetas, afirmou a instituição em um comunicado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.