Soldado americano capturado por talebans aparece em vídeo

Ele foi identificado como Bowe Bergdahl, de 23 anos; comunicado diz que militar é 'tratado com dignidade'

Efe,

19 de julho de 2009 | 11h07

Um grupo taleban colocou neste domingo no site YouTube um vídeo que mostra um soldado americano sequestrado no Afeganistão em 30 de junho. Imagens do mesmo filme, de 28 minutos, também foram exibidas neste domingo pela rede de TV catariana Al Jazeera.

 

 

O vídeo e os links das imagens no YouTube foram anunciados num fórum da internet geralmente usado pelos combatentes islâmicos do Oriente Médio e do Magrebe. Na página, foi incluído um comunicado da Comissão de Informação do Estado Islâmico do Afeganistão-Talebans.

 

A nota, com data deste domingo, diz que o soldado foi sequestrado em 30 de maio - a Al Jazeera e fontes americanas dizem que o rapto foi em 30 de junho -, na província de Paktika (leste). De acordo com o comunicado, o militar "goza de excelente saúde e está sendo tratado com dignidade".

 

No vídeo, gravado em 14 de julho, o soldado diz ser natural de Idaho e ter 23 anos. Os Estados Unidos confirmaram a informação e disseram se tratar de Bowe Bergdahl. Ele também conta que foi capturado depois de ter ficado para trás durante uma patrulha em Paktika. Segundo o soldado, nesse mesmo dia ele ouviu pelo rádio que um helicóptero havia caído, o que realmente aconteceu.

 

Uma pessoa sentada à esquerda do militar, que o tempo todo se esconde, mostra à câmera as placas de identificação do americano. Este aparece sobre um tapete, vestindo o que parece ser uma galabiya (bata longa até os tornozelos) cinza, primeiro falando e, depois, comendo.

 

Respondendo a algumas perguntas, o refém dá seu ponto de vista sobre o conflito no Afeganistão: "A história mostrou que esta guerra será extremamente difícil para qualquer um".

 

O soldado diz ainda que "todos os dias sente saudades" da família - pais, irmã e namorada, entre outros - e que é bem tratado pelos sequestradores. A pessoa que o interroga afirma que, uma vez capturado, o militar americano foi levado para a região de Kandahar.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEstados Unidossequestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.