Soldado americano é preso por divulgar vídeo de ataque de helicóptero no Iraque

Vídeo publicado pela Wikileaks mostra ataque de Apache em 2007, no qual morreram 12 pessoas

Reuters,

07 de junho de 2010 | 17h21

BAGDÁ- Um soldado americano foi preso com ligação à publicação de um vídeo que mostra um ataque de um helicóptero em Bagdá há três anos, no qual morreram doze pessoas, informou nesta segunda-feira, 7, o Exército dos Estados Unidos.

 

Veja também:

linkSérie de ataques deixa pelo menos sete pessoas mortas no Iraque

 

Bradley Manning, de 22 anos e nascido em Potomac, Maryland, estava no Iraque e agora se encontra detido no Kuwait, à espera de um julgamento "por supostamente publicar informação secreta", segundo um comunicado das Forças Armadas.Manning fazia parte da segunda brigada da Décima Divisão de Montana, segundo autoridades americanas.

 

A nota oficial não dava detalhes sobre a informação em questão, mas um oficial confirmou via Email que o caso está relacionado com um vídeo militar publicado em abril pela organização Wikileaks, grupo que combate a corrupção governamental e corporativa.

 

O vídeo, feito de um helicóptero, mostra um ataque de um Apache dos Estados Unidos a vários homens em uma praça de Bagdá em 2007. Um fotógrafo e um motorista da Reuters morreram na ocasião. O helicóptero abriu fogo sobre um grupo de pessoas, matando doze pessoas e ferindo várias outras.

 

De acordo com um porta-voz militar, a câmara do fotógrafo foi confundida pela tripulação do Apache com um lança-granadas.

 

A Wikileaks afirmou ter conseguido o vídeo com uma fonte militar, e que conseguiu vê-lo e investigá-lo depois de romper um código cifrado. O secretário de Defesa norte-americano, Robert Gates, criticou a organização por publicar o vídeo sem oferecer um contexto às imagens.

 

O Exército informou que uma investigação realizada logo depois do incidente concluiu que os soldados desconheciam a presença dos jornalistas e pensavam que estavam atacando insurgentes armados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.