Soldado israelense desaparecido é declarado morto

Anúncio foi feito na noite deste sábado pelo exército do país; acreditava-se que o militar tinha sido capturado na Faixa de Gaza, em uma emboscada do Hamas

Agência Estado

02 de agosto de 2014 | 22h43

O exército israelense anunciou na noite deste sábado, 2, a morte do soldado Hadar Goldin, de 23 anos. Anteriormente, acreditava-se que o militar tinha sido capturado na Faixa de Gaza, em uma emboscada do Hamas nesta manhã.

A emboscada encerrou em apenas 90 minutos uma trégua de 72 horas acertada entre Israel e o Hamas, resultado de enorme esforço diplomático dos Estados Unidos e da ONU. Dois companheiros de Goldin também morreram no ataque.

Israel voltou a castigar a Faixa de Gaza com disparos de tanques, terminando a sexta-feira com mais de 100 palestinos mortos e mais de 400 feridos. Neste sábado, foram pelo menos 72 mortos - a maioria em Rafah, onde tropas procuravam o soldado desaparecido.

Com a confirmação da morte de Goldin, aumenta para 62 o número de soldados israelenses mortos desde o início da ofensiva, no dia 7. Outros três civis, dois israelenses e um tailandês também morreram, atingidos por foguetes do Hamas.

Do lado palestino, segundo o Ministério da Saúde em Gaza, foram 1.665 mortos - a grande maioria, civis - e mais de 8.300 feridos.

Politicamente, a captura de soldados israelenses é mais dramática do que sua morte, pois dá início a um debate interno, sobre se Israel deve negociar com o inimigo, e em que termos. Em 2011, o soldado Gilad Shalit foi solto pelo Hamas, após cinco anos de cativeiro, em troca da libertação de 1.027 palestinos. COM INFORMAÇÕES DA AP

Tudo o que sabemos sobre:
Faixa de GazaIsraelPalestina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.