Soldado israelense morre em explosão na fronteira de Gaza

Fazendeiro palestino foi morto a tiros após incidente que ameaça o cessar-fogo entre Israel e o Hamas

Agências internacionais,

27 de janeiro de 2009 | 07h38

Um soldado israelense e um civil palestino foram mortos nesta terça-feira, 27, em confrontos na região da fronteira com a Faixa de Gaza. Segundo canais árabes de notícias, o militar foi morto quando sua patrulha foi atingida por uma bomba lançada por militantes. Após o incidente, um palestino foi atingido por disparos israelenses nas proximidades do ataque. Estes é o primeiro soldado israelense morto desde o início do cessar-fogo anunciado em 18 de janeiro entre Israel e o Hamas. O episódio ainda acontece às vésperas da primeira visita ao Oriente Médio de George Mitchell, enviado para a região do novo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Segundo o novo presidente, Mitchell perseguirá a paz de forma "vigorosa e consistente".   Veja também: Linha do tempo dos ataques em Gaza  Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel  História do conflito entre Israel e palestinos  Imagens das crianças em meio à destruição em Gaza    O Exército israelense afirmou que a explosão atingiu uma patrulha nos arredores da passagem fronteiriça de Kissufim. Há informações de que outros três militares estariam feridos. As circunstâncias do incidente ainda não estão claras, mas os militares acreditam que uma mina foi detonada no caminho do comboio. Nenhuma facção armada reivindicou o ataque. Oficiais de segurança palestinos disseram que as tropas israelenses chegaram a cruzar a fronteira após o incidente e mataram a tiros um homem de 27 anos e feriu outros dois. Segundo o Ministério da Saúde, a vítima era um fazendeiro. O Exército não fez comentários sobre o incidente. Moradores de Kissufim disseram que era possível ouvir os helicópteros circulando pela região e o barulho de artilharia sendo disparada.   Trata-se do mais grave incidente desde que Israel e o grupo palestino Hamas declararam separadamente um cessar-fogo para o conflito em Gaza, há pouco mais de uma semana.  Mediadores do Egito têm se encontrado separadamente com representantes de Israel e do Hamas para tentar negociar um cessar-fogo permanente. O grupo palestino pede a reabertura das fronteiras de Gaza, inclusive com o Egito, e o fim do bloqueio econômico israelense. Já o governo de Israel quer o fim dos ataques com foguetes em seu território e um maior patrulhamento da fronteira de Gaza com o Egito para tentar impedir o contrabando de armas para militantes.   Governo Obama   George Mitchell deve chegar nesta terça-feira ao Egito para discutir o conflito entre palestinos e israelenses na Faixa de Gaza. Segundo a BBC, Mitchell, que foi apontado como o mais alto representante diplomático no Oriente Médio pelo presidente americano Barack Obama na semana passada, deve se encontrar com o presidente egípcio Hosni Mubarak para discutir um cessar-fogo duradouro na Faixa de Gaza.   O Egito tem sido o principal negociador de um cessar-fogo entre palestinos e israelenses, assim como entre as facções palestinas Hamas, que controla a Faixa de Gaza, e Fatah, do presidente Mahmoud Abbas. A viagem de Mitchell deve durar nove dias e inclui ainda visitas a Israel, à Cisjordânia, à Arábia Saudita e a países da Europa.  

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelpalestinosHamasFaixa de Gaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.