Soldado norte-americano usa Corão para praticar tiros no Iraque

Comandantes do Exército dos EstadosUnidos pediram desculpas a líderes comunitários no Iraque apósum soldado norte-americano usar uma cópia do Corão parapraticar tiro ao alvo. As autoridades tentam conter uma revoltados iraquianos aliados aos Estados Unidos. Protestos violentos já ocorreram no mundo muçulmano quandoa fé islâmica é insultada. O pedido de desculpas doscomandantes aparentemente tenta evitar reação similar noIraque. Os militares norte-americanos disseram no domingo que osoldado, que não foi identificado, foi punido e recebeu ordempara deixar o Iraque após a cópia do livro sagrado muçulmanoter sido encontrada com buracos de bala em Bagdá no dia 11 demaio. Imagens obtidas pela Reuters mostram o livro com ao menos10 buracos de bala. O incidente é profundamente embaraçoso para o Exército dosEstados Unidos, que vem trabalhando para fazer alianças comtribos árabes sunitas para combater a al Qaeda no Iraque. Essasalianças estariam ajudando a reduzir drasticamente a violênciano país, segundo o Exército. Um líder comunitário iraquiano disse à Reuters que o pedidode desculpas pelo alto comando militar dos Estados Unidosajudou a acalmar as tensões. "Eu estava sentindo amargor, mas com o pedido de desculpasnós estamos bem com eles. Nossa revolta diminuiu", disse Saeedal-Zubaie, chefe de um conselho árabe sunita aliado aos EstadosUnidos em Radwaniya, perto de Bagdá, onde o Corão foiencontrado. O canal de televisão norte-americano CNN afirmou que ogeneral Jeffery Hammond, comandante das tropas em Bagdá, eoutros oficiais encontraram centenas de manifestantes quandovisitaram Radwaniya para o pedido de desculpas no sábado. "Eu sou um homem com honra, eu sou um homem de caráter. Eudou a minha palavra de que isso nunca vai acontecer de novo",disse Hammond à multidão, segundo a CNN. O coronel Bill Buckner, porta-voz do Exército, descreveu oincidente como "sério e profundamente preocupante." (Reportagem adicional de Dean Yates)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.