Suicida mata pelo menos 55 em restaurante no norte do Iraque

Polícia afirma que 120 ficaram feridas no ataque; árabes e curdos disputam domínio pela cidade de Kirkuk

Associated Press e Reuters,

11 de dezembro de 2008 | 09h55

Um atentado suicida dentro de um popular restaurante perto da cidade de Kirkuk, no norte do Iraque, matou pelo menos 120 pessoas nesta quinta-feira, 11. Quase 100 pessoas ficaram feridas no ataque, segundo a polícia.   O comandante da polícia de Kirkuk, Sarhad Qadir, confirmou o número de feridos na explosão, ocorrida no restaurante 3 quilômetros ao norte de Kirkuk, o centro dos campos petrolíferos do norte iraquiano. Funcionários disseram que o suicida se explodiu no restaurante Abdullah, localizado na principal rodovia para Irbil e bastante popular entre funcionários curdos viajando pela região controlada pelos curdos.   Um funcionário curdo disse que líderes tribais árabes almoçavam com membros da União Patriótica do Curdistão, partido do presidente Jalal Talabani. Eles seguiriam para um encontro com Talabani após a refeição. O restaurante recebia muitas famílias, que celebravam o último dia do feriado religioso do Eid al-Adha. Ele é ligado a outro restaurante de Kirkuk com o mesmo nome, atacado por um carro-bomba em 2007, em um atentado que deixou seis mortos e 25 feridos.   A razão do ataque não estava clara, mas a cidade é palco de duradouras tensões étnicas. Os curdos querem anexar Kirkuk e a província de Tamim em sua região autônoma, no norte do Iraque. A maioria dos árabes deseja manter a província sob controle do governo central, temendo discriminação ao restante dos moradores da região.   O índice de violência no Iraque caiu fortemente no ano passado, no entanto militantes ainda promovem ataques com freqüência. O atentado desta quinta-feira foi o mais sangrento dos últimos meses no país.

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUEBOMBA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.