Supostos traficantes matam 25 em Ciudad Juarez

Ataque ocorreu na quinta; dia foi o mais violento na cidade desde janeiro de 2008

Associated Press

10 de setembro de 2010 | 15h50

 

CIUDAD JUÁREZ - As autoridades mexicanas disseram nesta sexta-feira, 10, que 25 pessoas foram assassinadas na quinta-feira por supostos traficantes perto da fronteira entre o México e os EUA, registrando o dia mais violento de Ciudad Juárez em quase três anos.

 

Veja também:

lista Saiba mais sobre o tráfico de drogas no México

 

Segundo informações de um porta-voz da Promotoria Geral de Chihuahua, homens armados invadiram várias casas da cidade, que fica entre o Estado mexicano e o Estado americano do Texas, e dispararam contra pessoas que supostamente trabalham para cartéis rivais.

 

Quatro transeuntes também foram mortos a tiros quando seu comboio foi atacado por supostos traficantes perto da cidade, informou o jornal El Diário. A polícia se recusou a confirmar o caso, mas informou que 25 pessoas morreram por conta da violência do narcotráfico.

 

A crescente violência em Ciudad Juarez, onde um carro bomba foi detonado em julho, e em outras regiões do país, mas principalmente perto da fronteira com os EUA, eleva o temor entre as autoridades americanas de que o governo esteja perdendo o controle da segurança no México.

 

Nesta semana, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, disse que o México está em uma situação parecida com a da Colômbia há 20 anos, quando os narcotraficantes controlavam certas partes do país.

 

O presidente mexicano, Felipe Calderón, rejeitou os comentário de Hillary. O mandatário ainda defendeu seus esforços contra a violência e o narcotráfico, que já matou mais de 28 mil pessoas desde que ele assumiu o poder, em 2006. Só em Ciudad Juarez, mais de 6.400 pessoas morreram desde janeiro de 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.