Suspeito de corrupção, premiê de Israel resiste a pressões

O premiê de Israel, Ehud Olmert,desafiou na sexta-feira a pressão para deixar o cargo apósadmitir que recebeu dinheiro de um empresário norte-americano,conforme mostrou um inquérito policial sobre o caso. A eventualqueda de Olmert pode enterrar de vez o atual processo de paz,promovido a duras penas pelos Estados Unidos. Na noite de quinta-feira, dia do 60o aniversário dafundação do país, ele afirmou num pronunciamento convocado àspressas que só vai renunciar se for indiciado peloprocurador-geral. Na sexta-feira ele parecia tranquilo ao receber umadelegação canadense que angaria doações para Israel. Sobre ocaso, fez apenas uma referência indireta, quando disse ter"várias questões políticas para tratar". O popular diário Maariv estampou em sua manchete que Olmertrecebeu "milhões de shekels --dinheiro vivo". É uma referênciaao inquérito policial que aponta doações de eleitorais decentenas de milhares de dólares por parte do financista judeunova-iorquino Morris Talansky, que nas anotações do secretáriode Olmert era citado como "o homem da lavanderia". Livres do sigilo que pesava sobre a investigação, osjornais puderam publicar minúcias do assunto que ofuscou ascelebrações do 60o aniversário --cujo auge ocorre na semana quevem, com uma visita do presidente dos EUA, George W. Bush. Mas alguns articulistas questionaram a força das provas nasmãos dos promotores, já que o premiê conseguiu escapar ileso devárias investigações anteriores. "É duvidoso que Olmert possa sobreviver", escreveu oinfluente Nahum Barnea, do jornal Yedioth Ahronoth. "Se não forpor causa do caso Talansky, seria por causa de um efeitocumulativo de todas as investigações em curso contra ele." No diário Maariv, o colunista Shalom Yerushalmi notou comoOlmert disse aos israelenses "Eu nunca aceitei subornos, nuncapeguei um centavo para mim mesmo". O premiê afirmou que osfundos vindos de Talansky eram doações de campanhaadministradas pelo antigo sócio de Olmert. (Reportagem adicional de Alastair Macdonald e DanWilliams)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.