Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Taleban do Afeganistão suspende diálogo com os Estados Unidos

Insurgentes culpam Washington e sua posição 'errante e instável' por fracasso nas negociações

Reuters e Efe

15 de março de 2012 | 09h28

CABUL - O Taleban do Afeganistão informou nesta quinta-feira, 15, que está suspendendo suas as negociações de paz com os Estados Unidos. Os insurgentes, em comunicado, classificaram Washington como o principal "obstáculo" para a estabilidade do país asiático.

 

Veja também:

linkKarzai pede que Otan saia do Afeganistão

tabela ESPECIAL: Dez anos de guerra no Afeganistão

 

"O Emirado Islâmico do Taleban decidiu suspender todas as linhas de negociação com os americanos que ocorrem no Qatar de agora em diante até que os americanos esclareçam sua posição nos assuntos discutidos e até que mostrem disposição em cumprir suas promessas em vez de perder tempo", diz a nota divulgada pelos insurgentes.

 

Os insurgentes alegaram que a "responsabilidade" do fracasso do diálogo está atribuída "completamente à postura cambaleante, imprecisa e errante dos Estados Unidos", argumentando que não foram implementadas iniciativas consideradas como "práticas" para facilitar as negociações, como por exemplo uma troca de prisioneiros.

 

O Taleban ainda criticou os americanos por terem começado "uma campanha de propaganda infundada" contra o movimento e pediu à comunidade internacional que apoie a iniciativa da saída das tropas ocidentais do Afeganistão.

 

O anúncio do Taleban ocorre no momento em que o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Leon Panetta, faz uma visita surpresa ao Afeganistão, e poucos dias depois que um soldado americano matou 16 civis afegãos deliberadamente, estremecendo as relações entre Washington e Cabul.

 

A guerra no Afeganistão já dura mais de dez anos, embora tenha sido iniciada em julho de 2011 a retirada das tropas americanas do país. A saída deve ser completada em 2014, se o cronograma for cumprido, mas especialistas levantam dúvidas sobre a capacidade das forças locais para manter a segurança e a estabilidade locais.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoTalebanEUAinsurgentes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.