Taleban não confia em julgamento do massacre e quer vingança

Taleban não confia em julgamento do massacre e quer vingança

Grupo promete se vingar das forças da Otan pelas mortes de 17 civis, supostamente cometidas por um soldado americano

Reuters, REUTERS

23 Março 2012 | 13h46

CABUL - O Taleban do Afeganistão prometeu nesta sexta-feira se vingar das forças da Otan pelas mortes de 17 civis, da qual um soldado norte-americano enfrentará acusações, afirmando que eles não acreditavam em qualquer procedimento judicial.

O massacre no sul da província de Kandahar, bem como a queima de exemplares do Alcorão em uma base da Otan, irritaram muitos afegãos e prejudicaram as relações no momento em que as forças ocidentais estão reduzindo as tropas de combate e o Taleban suspendeu as conversações de paz.

"Esta era uma atividade planejada e nós certamente vamos nos vingar de todas as forças norte-americanas no Afeganistão e não confiar em tais julgamentos", disse o porta-voz do Taliban Zabihullah Mujahid à Reuters por telefone, de um local não revelado.

O sargento norte-americano Robert Bales, acusado de matar afegãos em um tiroteio em Kandahar, na semana passada, será formalmente acusado de 17 assassinatos, informou um oficial dos EUA na quinta-feira, 23.

Bales também enfrentará outras acusações, incluindo tentativa de assassinato, mas não se sabe quantas acusações adicionais haveria. A informação oficial ainda não foi divulgada.

O advogado que representa Bales disse que as autoridades norte-americanas não tinham prova do que aconteceu durante o tiroteio de 11 de março no distrito de Panjwai.

Mujahid, do Taleban, reiterou a crença mantida por muitos afegãos de que deve ter havido mais de um soldado envolvido no massacre, algo que as autoridades norte-americanas consistentemente negam.

"Agora a América tenta enganar as pessoas e tenta pôr a culpa do ato em um soldado. Isto é um crime do governo norte-americano. Usar essa esperteza e enganação é um crime enorme", disse Mujahid.

Quase 11 anos depois que o governo Taliban foi derrubado, os Estados Unidos e seus aliados enfrentam uma insurgência resistente, um governo fraco no Afeganistão, e um futuro incerto sobre o apoio ocidental após o fim da retirada das tropas em 2014.

Golpe às conversações de paz?

Em um golpe para as esperanças da Otan de uma solução negociada para a guerra, o Taleban disse na semana passada que estava suspendendo as negociações com os Estados Unidos.

Os diplomatas norte-americanos têm procurado ampliar conversações exploratórias com o Taleban, que começaram clandestinamente na Alemanha no final de 2010, depois que o Taleban se ofereceu para abrir um escritório de representação no Catar.

O movimento islâmico disse que foi obrigado a suspender as negociações uma vez que os Estados Unidos tinham apenas respondido às suas exigências, incluindo a libertação de prisioneiros do Taleban de Guantánamo, em Cuba, com uma lista de condições.

Mais conteúdo sobre:
AFEGANISTAO TALIBAN DESCONFIANCA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.