AP
AP

Taleban volta a atacar Cabul e sete morrem em atentado

ONU confirma que funcionários foram mortos ; morteiros caem próximo ao palácio presidencial na capital

18 de agosto de 2009 | 06h51

Um carro-bomba explodiu perto de um comboio da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), nesta terça-feira, 18, nas proximidades de Cabul, matando pelo menos sete pessoas, segundo funcionários. Mais de 50 pessoas estavam feridas. Afegãos que trabalhavam para as Nações Unidas estavam entre os mortos e feridos. O ataque ocorre dois dias antes das eleições nacionais, nas quais será escolhido o novo presidente. O Taleban é contrário à realização de eleições e afirmou que as pessoas que votarem serão possíveis alvos.

 

Veja também:

linkEntrevista: Porta-voz nega trégua do Taleban antes da eleição

som Enviado especial Lourival Sant'Anna fala do clima violento em Cabul

especial Especial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

 

O suicida lançou um carro-bomba contra o comboio na estrada que une Cabul a Jalalabad (leste), diante de um prédio público. A Otan afirmou que "relatos indicam" que há civis afegãos e tropas da Otan "mortos e feridos na explosão", perto de um comboio da Otan. O chefe da missão da ONU no Afeganistão, Kai Eide, disse em comunicado que dois funcionários da ONU foram mortos e um estava ferido. Todos seriam afegãos.

 

Aproximadamente 12 veículos privados foram destruídos perto do local do ataque. As forças dos EUA, da Otan e afegãs estão em alerta máximo, por causa das eleições de quinta-feira. Poucas horas antes, os insurgentes dispararam vários foguetes na capital afegã, e dois caíram nos arredores do Palácio Presidencial, sem deixar vítimas. A capitã do Exército americano Elizabeth Mathias não pode fornecer detalhes sobre os possíveis danos ou feridos pelo ataque. O impacto foi ouvido em toda a cidade, onde a segurança foi reforçada antes da eleição para a presidência e para os conselhos provinciais, na quinta-feira.

 

O ataque, que se soma a outros semelhantes com foguetes lançados este mês contra a capital, não foi confirmado até o momento pelo governo afegão, nem pela Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf), comandada pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

 

A Aliança Atlântica informou nesta terça-feira que interromperá suas operações na ofensiva contra os insurgentes durante as eleições presidenciais. A decisão foi anunciada após uma ordem semelhante de cessar-fogo imposta Karzai aos soldados afegãos.

 

Espera-se que milhões de afegãos votem na quinta-feira para eleger seu novo presidente no segundo pleito após a ditadura do Taleban. As forças americanas, afegãs e da Otan permanecerão em alerta em todos o país para ajudar a proteger os cidadãos das ameaças do Taleban contra a eleição, mas não realizarão operações ofensivas contra os insurgentes.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.