Taliban afegão executa a pedradas casal acusado de adultério

Um homem e uma mulher, acusados de serem amantes, foram mortos no domingo a pedradas publicamente pelo Taliban no norte do Afeganistão, disse uma autoridade provincial na segunda-feira.

MOHAMMAD HAMED, REUTERS

16 de agosto de 2010 | 08h48

Se confirmadas, serão as primeiras execuções desse tipo pelo Taliban na outrora pacata província de Kunduz. Na semana passada, clérigos afegãos propuseram a reintrodução da sharia (lei islâmica), incluindo a aplicação de execuções.

Também na semana passada, autoridades disseram que os militantes islâmicos açoitaram e executaram publicamente uma mulher acusada de adultério na província de Badghis (noroeste).

No caso de domingo, "os dois foram apedrejados até a morte num bazar do distrito de Dasht-e Archi, sob a acusação de cometerem um ato de adultério", disse Mohammad Omar, governador de Kunduz.

O chefe de polícia do distrito, Hameed Agha, afirmou que os dois condenados estavam noivos de outras pessoas e foram presos pelo Taliban a pedido das próprias famílias, quando tentavam fugir juntos.

O Taliban é uma milícia islâmica radical que atraía forte condenação internacional por realizar punições desse tipo na época em que governava o Afeganistão (1996-2001).

Na semana passada, o grupo procurou se distanciar do incidente de Badhdis. Um porta-voz disse não ter informações sobre as execuções em Kunduz.

A sharia prescreve punições como apedrejamentos, chibatadas, amputações e execução. Um colegiado de clérigos, reunido na semana passada para discutir a reconciliação com o Taliban, manifestou apoio a tais punições, conhecidas como "hodud."

Alguns afegãos ainda recorrem aos tribunais do Taliban para dirimir disputas, por considerarem que os órgãos do governo são corruptos e não confiáveis.

Apesar da presença de mais de 140 mil soldados estrangeiros, com apoio de 300 mil militares e policiais afegãos, o Taliban conseguiu se espalhar além de seus redutos tradicionais no sul, chegando a áreas outrora pacíficas, como Kunduz.

(Reportagem adicional de Andrew Hammond)

Tudo o que sabemos sobre:
AFEGANISTAOTALIBANAPEDREJAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.