Talibãs atacam prisão afegã e libertam mais de mil detentos

Cerca de 400 membros do Talibã são soltos no ataque suicida de um carro-bomba contra uma detenção

AP e Reuters,

13 de junho de 2008 | 16h25

Autoridades afegãs informaram que militantes do Talibã atacaram a prisão principal de Kandahar, no sul do país, com um carro-bomba e foguetes, matando policiais e libertando prisioneiros. O ministro da Justiça Sarwar Danish informou que o carro-bomba explodiu nos portões detenção. Estima-se que todos os 1.150 prisioneiros, incluindo cerca de 400 militantes do Talibã, escamparam nesta sexta-feira, 13.   Veja também: Afeganistão não pode ser 'céu' para terroristas, diz Bush   "Todos os prisioneiros fugiram. Nenhum ficou para trás," disse Wali Karzai, o irmão do presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, e presidente do Conselho da província de Kandahar. Os militantes primeiro explodiram um carro-bomba em uma caixa d'água próxima à entrada do portão da penitenciária de Kandahar. Em seguida, vários homens-bomba suicidas se aproximaram dos muros e se desintegraram aos pedaços após detonarem os explosivos junto à muralha, onde abriram brechas, explicou Karzai.Muitos policiais foram mortos na ação, disse Karzai, mas ele não informou com exatidão quantos pereceram no ataque. Em maio, os presos do Taleban fizeram uma greve de fome contra as péssimas condições de carceragem.   Testemunhas afirmam que foguetes foram disparados contra a penitenciária durante 30 minutos. O ataque começou às 21h30, no horário local. Oficiais da Força Internacional de Segurança da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) disseram ter conhecimento do ataque mas não deram detalhes sobre a ação. Karzai ressaltou que os campos próximos à cidade oferecem boa cobertura para a fuga.   Ahmadi, porta-voz do Talebã disse que a ação foi um sucesso. Segundo ele, os prisioneiros foragidos "estão em segurança na cidade e irão para suas casas."  (Matéria ampliada às 18h05)

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoTalibãOTAN

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.