Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Terremoto e inundações deixam ao menos 33 mortos no Afeganistão

Chuva enfraqueceu casas de barro onde vive parte dos afegãos e contribuiu para mortes

O Estado de S. Paulo

24 de abril de 2013 | 13h55

Mustafa Najafizada/Reuters Destruição. Sobreviventes vasculham escombros de terremoto em Mazar-i-Sharif   CABUL  - Um terremoto no leste do Afeganistão e inundações no norte do país mataram pelo menos 33 pessoas nesta quarta-feira, 24, depois que o clima úmido enfraqueceu as tradicionais casas de tijolos de barro onde vive grande parte da população do país, disseram autoridades.  O terremoto de magnitude 5,7 ocorrido às 14h no horário local (6h30 em Brasília) chegou a ser sentido na capital indiana Nova Délhi e é o mais recente de uma série de tremores que têm atingido a Ásia neste mês.

O tremor teve profundidade de 65 quilômetros, com epicentro a 11 quilômetros de Mehtar Lam, capital da província oriental de Laghman, de acordo com o site do Serviço Geológico dos Estados Unidos.  Pelo menos 18 pessoas morreram nas províncias vizinhas de Nangarhar e Kunar e o número de vítimas fatais deve aumentar, disse um porta-voz da Sociedade Crescente Vermelho do Afeganistão. Cerca de 70 pessoas ficaram feridas apenas em Nangarhar.

A maior parte do Afeganistão recebeu chuva constante nesta quarta-feira, o que teria enfraquecido as tradicionais casas de tijolos de barro em que muitos afegãos vivem, de acordo com a Autoridade Nacional de Gestão de Desastres do Afeganistão.  A entidade ainda não tem seus próprios dados sobre vítimas.

Inundações. Mais cedo nesta quarta-feira, a chuva também provocou inundações na província de Balkh, no norte do país, matando 15 pessoas, segundo o membro do conselho provincial Fazel Hadidi. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãoterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.