Transexuais de Istambul se manifestarão apesar de proibição do governo

Ativistas confirmaram marcha para este domingo e ignoraram sanção imposta pelo poder público

EFE

02 Julho 2017 | 07h14

Vários grupos de transexuais turcos anunciaram nas redes sociais que manterão a convocação para se reunir hoje na praça de Taksim, em Istambul, apesar da proibição da marcha anunciada na noite deste sábado, 1, pelas autoridades.

"Não reconhecemos a proibição. Estaremos em Taksim", divulgou uma das contas do Twitter utilizados para coordenar os ativistas.

Em um comunicado emitido ontem à noite, o escritório do governador de Istambul proibiu a marcha dos grupos transexuais, convocada por diversas organizações de defesa de seus direitos, alegando a falta de segurança dos participantes perante as "severas críticas" de outros setores.

"Considerando a ordem pública e a segurança dos turistas que estão na região para passear, bem como dos nossos cidadãos, especialmente os participantes, não se autoriza esta marcha", diz o comunicado.

Além disso, não há recebido nenhuma solicitação por vias legais para a realização da marcha e recorda as "graves reações contra esta convocação de vários setores nas plataformas sociais". 

O comunidado é muito similar ao emitido há uma semana para proibir a marcha do Orgulho LGBT, que se realiza em Istambul desde 2003, enquanto que a marcha trans, normalmente celebrada uma semana antes, chegaria neste domingo, 2, à sua oitava edição

No domingo passado, 25, enormes contingentes policiais bloquearam as zonas de reuniões previstas e os ativistas se concentraram finalmente com faixas e bandeiras em ruas de um bairro vizinho, onde os agentes intervieram com gás lacrimogênio para dispersá-los. 

Ambas as marchas, que haviam atraído cerca de 15 mil participantes em um ambiente festivo, foram vetadas pela primeira vez em 2014, em uma proibição generalizada de qualquer grupo desalinhado com o governo turco. 

Mais conteúdo sobre:
turquiaIstambul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.