Tripulação se nega a atacar líbios e abandona caça em pleno voo

É o segundo episódio de deserção na Força aérea; na segunda-feira, dois coronéis fugiram para Malta

REUTERS

23 de fevereiro de 2011 | 12h24

Um caça da Força Aérea da Líbia sofreu um acidente perto da cidade de Benghazi depois que sua tripulação saltou de paraquedas, recusando-se a bombardear a cidade, informou o jornal líbio Quryna, citando uma fonte militar.

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

mais imagens Galeria:   Veja imagens dos conflitos

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Acompanhe os protestos na região

 

A versão online do jornal citou como fonte um coronel da base aérea próxima a Benghazi, ao informar que o capitão Attia Abdel Salem al Abdali e seu número dois, Ali Omar Gaddafi, saltaram do avião russo modelo Sukhoi-22.  O avião, que partiu de Trípoli, caiu próximo da cidade de Ajdabiya, 160 quilômetros a sudoeste de Benghazi, informou o jornal.

Benghazi e a maioria do leste da Líbia não está sob controle do governo central desde a revolta da semana passada contra o regime do líder líbio, Muammar Gaddafi.  

 Este é o segundo episódio de deserção na Força Aérea líbia. Na segunda feira, dois coronéis que pilotavam dois caças Mirage de fabricação francesa fugiram para a ilha de Malta, no Mediterrâneo, após se recusarem a bombardear manifestantes.  

Ontem, Kadafi foi à TV estatal e ameaçou os manifestantes. Disse que não havia usado a força 'ainda', mas que poderia usá-la, e prometeu tirar as cidades do leste do país do controle da oposição. Desde segunda-feira, o ditador tem ordenado o uso de aviões de guerra contra os dissidentes.

Kadafi culpou a juventude líbia, a imprensa internacional, o terrorismo islâmico e os EUA pelo caos no país e afirmou que a imagem da Líbia está sendo "distorcida" perante o mundo. Vocês conhecem alguém decente que participa disso? São todos bêbados e drogados", disse, sobre os jovens que participam dos protestos.

O jornal Quryna, com sede em Benghazi, é a fonte de mídia mais confiável na Líbia. O jornal pertence a um grupo ligado a um filho de Gaddafi, Saif al-Islam, mas desde que o governo central, em Trípoli perdeu o controle sobre Benghazi, o veículo tem divulgado informações abertamente sobre os eventos na cidade e em outras regiões do país.

 

Leia ainda:

linkInício do conteúdo Kadafi aumenta controle sobre Trípoli; oposição ganha terreno

linkLíderes europeus defendem sanções econômicas contra a Líbia

linkComeça mobilização para retirada em massa de estrangeiros

 

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIASUKHOICAI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.