Troca de prisioneiros entre Israel e Hezbollah é marcada para 4a

Israel e o grupo libanês Hezbollahvão trocar prisioneiros na quarta-feira, sob um acordo mediadopela Organização das Nações Unidas, anunciou no domingo oserviço carcerário de Israel. Um porta-voz disse que os soldados israelenses EhudGoldwasser e Eldad Regev serão trocados por cinco prisioneiroslibaneses, incluindo Samir Qantar, que cumpre prisão perpétuapor matar um policial israelense, outro homem e sua filha de 4anos de idade numa incursão contra o norte de Israel em 1979. O Hezbollah não informou em que condição se encontram osdois soldados, mas supõe-se que estejam mortos. Eles foramcapturados numa incursão do Hezbollah em território israelenseque levou a uma guerra em 2006 entre Israel e o grupo apoiadopelo Irã. O porta-voz do serviço carcerário disse que a troca vaicomeçar na quarta-feira, mas se negou a informar onde ela terálugar. Trocas anteriores de prisioneiros foram feitas no postode travessia da fronteira em Naquoura, no litoral. Como parte do acordo negociado por um oficial deinteligência da Alemanha, Israel vai entregar os corpos de 200árabes mortos quando infiltravam o norte de Israel. O Hezbollah vai devolver os restos mortais de soldadosisraelenses mortos no sul do Líbano em 2006. O primeiro-ministro israelense Ehud Olmert descreveu Qantarcomo o último peão de barganha para se ter notícias doparadeiro de Ron Arad, integrante da Força Aérea de Israel. Arad desapareceu após saltar de sua aeronave durante umbombardeio sobre o Líbano, em 1986. Pelos termos do acordo de troca de prisioneiros, Hezbollahdeu a Israel um relatório sobre Arad, que foi capturado por umgrupo libanês diferente, o Amal. A mídia israelense disse que orelatório não trouxe informações novas. No domingo, a televisão israelense exibiu duas fotos queainda não tinham sido vistas de Arad em cativeiro, queacompanharam o documento fornecido pelo Hezbollah e foramentregues à família dele no sábado, juntamente com cartas quese acredita terem sido escritas vários anos atrás.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.