Tropas de Gaddafi cercam cidade líbia após conflitos

Tropas leais ao líder líbio, Muammar Gaddafi, cercavam neste sábado a cidade de Zlitan, localizada 160 quilômetros a leste de Trípoli, disseram os rebeldes, após a ocorrência de batalhas no local que podem abrir uma passagem pela costa até a capital.

SHERINE EL MADANY, REUTERS

11 de junho de 2011 | 10h40

Conflitos esporádicos entre as forças de Gaddafi e os rebeldes continuavam em Zlitan, disse um porta-voz rebelde, depois que o grupo tomou o controle de regiões da cidade. Ele afirmou que a situação está mais calma do que na sexta-feira e que o número de rebeldes mortos permanece em 22.

"Zlitan continua cercada pelas tropas de Gaddafi e elas estão ameaçando moradores a se render ou terão suas mulheres estupradas por mercenários", afirmou o porta-voz Ahmed Bani.

Não foi possível verificar de forma independente a afirmação dos rebeldes. Não houve comentário imediato do governo de Gaddafi.

Zlitan é uma das três cidades que são controladas fortemente pelo governo e que ficam entre Misrata, que tem domínio rebelde, e Trípoli. Se ela sair do controle de Gaddafi, pode permitir que a revolta contra o líder saia de Misrata, o maior reduto rebelde no oeste da Líbia, e chegue até a capital.

Durante a noite, as forças de Gaddafi também bombardearam pela primeira vez a cidade de Gadamis, que é patrimônio mundial da humanidade, localizada 600 quilômetros a sudoeste de Trípoli, na fronteira com a Tunísia e a Argélia, abrindo um novo fronte de batalha na guerra civil, que já dura cinco meses.

Um correspondente da Reuters em Trípoli não ouviu mais bombardeios da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) neste sábado. Rebeldes em várias regiões instáveis também disseram que não houve mais ataques aéreos.

Potências mundiais deram indicações conflitantes de como a guerra pode acabar, com a Rússia tentando mediar uma reconciliação. O primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, afirmou na sexta-feira que ofereceu uma "garantia" a Gaddafi se ele deixar a Líbia, mas não recebeu resposta.

Com a diplomacia falhando, os conflitos estão se espalhando para novas regiões.

Rebeldes disseram que a cidade de Gadamis, que tem uma população de cerca de 7.000 pessoas, a maioria berbere, está sendo atacada após a realização, na quarta-feira, de um protesto contra o governo na antiga cidade romana.

"Gadamis está sendo bombardeada pelas forças de Gaddafi, de acordo com testemunhas na cidade", afirmou o porta-voz Juma Ibrahim da cidade rebelde de Zintan. "Essa é uma retaliação a protestos contra o regime."

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAPROTESTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.