Tropas do Iraque prendem 43 após tiroteio de seguranças

Exército dos Estados Unidos nega rumores de que dois americanos estão entre os detidos pelos soldados

Agência Estado e Associated Press,

20 de novembro de 2007 | 04h39

Tropas iraquianas prenderam 43 pessoas na segunda-feira, 19, depois que seguranças de um comboio de uma empresa contratada pelos Estados Unidos atiraram e feriram uma mulher em Karada, distrito de Bagdá. A maioria dos detidos é proveniente do Sri Lanka. O Exército dos Estados Unidos negou rumores de que dois americanos estivessem entre os presos. As circunstâncias do tiroteio ainda estão sendo investigadas. O incidente é mais um em meio a uma série de recentes tiroteios nos quais guardas de segurança estrangeiros supostamente mataram iraquianos. No mês passado, o gabinete iraquiano enviou ao Parlamento um projeto de lei que determina o fim de privilégios para companhias de segurança privada estrangeiras, em vigor desde o início da ocupação americana no Iraque em 2003. O comboio pertencia a Almco, empresa internacional baseada em Dubai, nos Emirados Árabes. Segundo o porta-voz do Exército americano, major Brad Leigton, a Almco tem contratos com o governo dos Estados Unidos para fornecer comida, água e outros serviços para as equipes militares. A companhia também fez acordo para construir uma corte judicial no país. Leigton disse que ainda não se sabe se os detidos estavam trabalhando nesses contratos no momento do tiroteio, ou sob um regime de contrato com outra agência no Iraque.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.