Tropas do Ocidente matam 16 civis afegãos, diz governo

Integrantes da forças ocidentais mataram neste domingo 16 civis, incluindo nove crianças, na província afegã de Kandahar, segundo as autoridades, em um ataque que segundo testemunhas foi realizado por soldados norte-americanos rindo e que pareciam estar embriagados.

REUTERS

11 de março de 2012 | 14h32

Um pai afegão disse que seus filhos morreram ao serem atingidos pelos soldados e acusou os militares de queimarem os corpos mais tarde.

Testemunhas disseram à Reuters que viram um grupo de soldados norte-americanos chegando ao seu vilarejo, localizado no distrito de Panjwayi da província de Kandahar, por volta das duas horas da madrugada, entrando nas casas e abrindo fogo.

O incidente, um dos piores que ocorreram desde a invasão liderada pelos EUA no Afeganistão em 2001, pode aprofundar a divisão entre Washington e Cabul.

A embaixada dos EUA em Cabul disse que um soldado dos EUA foi preso pelo ocorrido, e afirmou que poderiam haver retaliações contra os Estados Unidos após as mortes, que ocorreram apenas algumas semanas depois que as tropas norte-americanas queimaram exemplares do Alcorão em uma base da Otan, detonando protestos contra ao Ocidente.

O presidente afegão, Hamid Karzai, descreveu o caso como "homicídios dolosos" e exigiu uma explicação dos Estados Unidos. Seu gabinete disse que entre os mortos estão nove crianças e três mulheres.

Um ministro afegão disse mais cedo à Reuters que um soldado dos EUA que agiu sozinho matou as 16 pessoas quando entrou em casas em aldeias perto de sua base no meio da noite.

Panjwayi fica cerca de 35 km a oeste da capital da província de Kandahar. O distrito é considerado o lar espiritual do Taliban e acredita-se ser um centro de atividade insurgente.

Haji Samad disse que 11 parentes morreram em uma casa, incluindo os seus filhos. Fotos mostram paredes cobertas de sangue, onde as crianças morreram.

"Eles (os americanos) derramaram produtos químicos nos corpos e os queimaram", disse Samad à Reuters enquanto chorava.

"Eu vi os meus 11 parentes mortos, incluindo os meus filhos e netos", disse Samad, que havia deixado a casa no dia anterior.

Vizinhos disseram que acordaram com os disparos de soldados norte-americanos e disse que eles riam e estavam bêbados.

"Eles estavam todos bêbados e atiravam em todos os lugares", disse Agha Lala, que visitou uma casa onde ocorreu o incidente. "Seus corpos foram crivados de balas", disse ele.

Um alto oficial dos EUA disse que o secretário de Defesa, Leon Panetta, "ficou profundamente triste ao ouvir sobre o incidente na noite passada e continua a acompanhar os relatórios provenientes do Afeganistão".

A Casa Branca também expressou preocupação.

O Taliban afegão afirmou que vai vingar as mortes, de acordo com um comunicado enviado à mídia.

Tudo o que sabemos sobre:
AFEGANISTAOEUAATAQUEATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.