Tropas dos EUA matam 49 em Bagdá; 15 mortos seriam civis

Funcionários e hospitais locais disseram que, entre os mortos, há uma mulher e três crianças; 52 ficaram feridos

21 de outubro de 2007 | 16h47

Tropas dos EUA apoiadas por helicópteros de ataque mataram 49 pessoas em uma operação na favela predominantemente xiita de Sadr City, em Bagdá. Funcionários da polícia e dos hospitais locais disseram que 15 civis foram mortos, entre eles uma mulher e três crianças, e 52 ficaram feridos. Fotos divulgadas pela Associated Press mostram os corpos de duas crianças mortas, envoltas em cobertores no chão de uma morgue. Parentes disseram que as crianças foram atingidas por disparos feitos por helicópteros enquanto dormiam. O comando das forças de ocupação norte-americanas disse não ter conhecimento de nenhuma vítima civil em que foram mortos "49 criminosos". Esta foi uma das maiores operações das tropas dos EUA em Sadr City desde que o presidente George W. Bush elevou o número de soldados norte-americanos no Iraque em 30 mil, no começo deste ano. O primeiro-ministro do Iraque, Nouri al-Maliki, reuniu-se com seus conselheiros da área de segurança e determinou que seja feita uma investigação. "O primeiro-ministro enfatizou que a força excessiva, que pode ferir inocentes e danificar sua propriedade, não deve ser usada na caça a indivíduos procurados. Ele também destacou que a coordenação entre forças iraquianas e multinacionais deveria ser suficiente para evitar incidentes lamentáveis e que será conduzida uma investigação sobre as operações de hoje em Sadr City", diz comunicado divulgado pelo gabinete de Al-Maliki. Desde o início da guerra no Iraque, em março de 2003, pelo menos 650 mil iraquianos morreram devido ao conflito. As tropas de ocupação contabilizam 4.137 militares mortos, dos quais 3.834 norte-americanos.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraquetropasmortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.